in ,

Contrastes (c/ vídeo)

Uma bonita e moderna pintura mural na parede lateral da sede da Gualdim Pais contrasta com o estado de degradação da biblioteca municipal de Tomar, mesmo em frente.

O insólito é que a câmara contratou por cerca de 15 mil euros um grupo de artistas para várias pinturas urbanas mas deixou ficar as paredes da biblioteca no estado em que se encontram.

O assunto já foi debatido em reunião de câmara, com os responsáveis a argumentar que há intenção de fazer obras de requalificação da biblioteca mas sem arriscar uma data.

Até lá os tomarenses vão deparar-se com um contraste entre uma pintura mural, do lado da Gualdim Pais, com paredes borradas de grafitis e de tinta a desfazer-se, do lado da biblioteca.

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Biblioteca? Livros? Cultura? Isso nem antes dos Facebookes quanto mais agora que anda tudo de nariz no telemóvel nos likes, nas partilhas e nos profundissimos comentários

    • Tem razão. Há essa vertente da invasão tecnológica. Convém porém ter também presente a célebre tirada daquele general espanhol zarolho, durante a guerra civil (1936-1939): “Quando oiço a palavra cultura, saco logo da pistola.” No caso, a respeitável presidente que temos, tudo indica que quando ouve palavras como livros ou leitura, vira-se logo para outras coisas menos pesadas. Como por exemplo uns desenhos animados ou umas pichagens.
      Feitios. Mesmo sem programa de jeito, elegeram-na, não foi? Então agora aturem-na.

  2. Não vejo diferença entre uma e outra. a pintura na SFGP mais parece um grafiti que outra coisa, além de que não tem nada a ver com o edifício ou com as atividades nele praticadas, contrariamente às restantes que se vêm por Tomar (Bombeiros, Colégio Nun’Álvares).

    Chamar áquilo arte é chamar ao lixo arte.

  3. Com o ensino em geral no estado algo caótico em que se encontra, desde há muitos anos, uma pessoa já nem sabe bem o que terá acontecido, neste caso como em tantos outros. Se calhar a srª presidente nunca aprendeu, não sabe, nem quer que lhe expliquem o campo semântico do vocâbulo PRIORIDADES.
    E depois dá nisto. Que é mais um desastre numa triste terra de triste gente tristemente adormecida. Ou será antes entorpecida pelo que ingerem, via boca e ouvidos?

  4. Alguém tem números de visitantes do espaço por dia/ semana/ mês/ ano desde a sua abertura?
    Quais as áreas mais utilizadas?
    Quais as áreas menos utilizadas?

  5. Optar por manter o edifício da Biblioteca Municipal degradado em detrimento de uma pintura urbana na fachada de uma instituição onde por vezes os profissionais que ali exercem recebem “tarde e a más horas” só pode advir de quem anda a brincar aos políticos e não pode ser levado a sério!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comentários

Centro de Formação Profissional organiza Semana do Empregador

Que terra é esta?