EconomiaDestaque

Construção do hotel Vila Galé Collection Tomar já começou

Concluídas as escavações arqueológicas, começaram há poucos dias as obras de construção do hotel Vila Galé Collection, nos antigos Convento de Santa Iria e Colégio Feminino em Tomar.

A área de intervenção e de montagem do estaleiro já está vedada, “roubando” alguns lugares de estacionamento no parque Santa Iria e obrigando ao abate de algumas árvores.

As obras estão a ser executadas pela empresa Anteros Empreitadas – Sociedade de Construções e Obras Públicas, S.A., com sede na cidade de Chaves, e que nesta altura está a recrutar pessoal.

tomardrive banner out. rodape 2020 41 7293055622693185155 n Copia

Ali vai surgir uma unidade hoteleira de 4 estrelas, com cerca de 100 quartos, restaurante, bar, Satsanga Spa & Wellness, piscina exterior e um salão de convenções para mais de 200 pessoas, duas salas de reuniões, jardim exterior e estacionamento.

Segundo o grupo Vila Galé, o investimento ronda os 10 milhões de euros e vai criar 36 postos de trabalho.

Foi em setembro de 2019 que a câmara de Tomar vendeu ao grupo Vila Galé o Convento de Santa Iria e o antigo colégio feminino, junto ao rio Nabão, por 700 mil euros.

Hotel Vila Galé no convento de Santa Iria será dedicado aos Templários

 

3 comentários

  1. É um excelente equipamento turístico para Tomar. Falta saber qual foi a solução encontrada para o arco de Santa Iria, que pode bem vir a causar polémica.

  2. À semelhança do grupo Pestana, o grupo Vila Galé também tem como práxis a defesa do património. Tanto quanto sei, o futuro hotel irá compreender o sector rebeirinho do convento e a área, agora totalmente a céu aberto do antigo colégio feminino. Se assim for o arco será a ponte que une as duas áreas, pelo que o seu futuro está assegurado.

  3. Tem razão ERICA. Contudo, decerto sem querer, passou ao lado do problema. Acontece.
    Para melhor esclarecimento, a dúvida que avancei tem por base a seguinte problemática: De acordo com as normas internacionais, os hotéis de 4 ou mais estrelas devem estar dotado de corredores duplos em cada andar. Um corredor só para os hóspedes, outro para os empregados, o chamado corredor de serviço. Acontece que o arco de Santa Iria não tem largura suficiente para comportar esses dois corredores obrigatórios. Daí a minha interrogação: Vai ser alargado? Vão sobrepor outro corredor? A DGT local fechou ou vai fechar os olhos, mediante acordo prévio sub-mesa?
    Como é sabido, no tempo do Paiva a Câmara pretendeu vender aquelas mesmas ruínas por, 3,5 milhões de euros. Mais tarde, já com outra maioria, baixaram para 2 milhões, e depois para milhão e meio. Acabaram por vender por apenas 700 mil euros. Uma venda ao desbarato, que se revela agora um excelente negócio para a autarquia, graças ao gabarito internacional da empresa Vila Galé. Noutra ocasião se explicará porquê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo