in ,

Posto Médico de Casais encerrado após vistoria

O Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) do Médio Tejo decidiu mandar encerrar a extensão médica de Casais, no concelho de Tomar, por não cumprir as exigências de segurança e higiene impostas no contexto da pandemia.

A decisão já foi contestada pela direção da Associação Cultural e Recreativa do Centro da Freguesia de Casais, em cujas instalações funciona o posto médico, e pela junta de freguesia de Casais e Alviobeira.

Diz o presidente da coletividade que o encerramento foi uma decisão unilateral do ACES, da qual não tiveram conhecimento prévio.

Publicamos o comunicado da associação e a resposta do ACES à junta de freguesia:

 

Comunicado da Associação Cultural e Recreativa do Centro da Freguesia de Casais sobre o encerramento Provisório da Extensão Médica de Casais – COVID 19:

A Direção da Associação Cultural e Recreativa do Centro da Freguesia de Casais vem por este meio informar toda a População que vem usando a Extensão Médica de Casais que é completamente alheia ao seu encerramento. O mesmo aconteceu através de uma decisão UNILATERAL da ACES do Médio Tejo e sem qualquer conhecimento desta coletividade.
Mais informamos que a decisão se baseou, segundo a ACES do Médio Tejo, numa vistoria às instalações para avaliar se cumpriam as condições de seguranças impostas pela Direção Geral de Saúde em virtude da Pandemia de Covid-19. Vistoria essa da qual NUNCA fomos informados, ou seja, vieram à nossa coletividade sem nos informarem para estarmos presentes e discutir possíveis alternativas para que nas instalações continuasse a funcionar a Extensão de Saúde.
Após vários contactos que efetuamos, quer por via telefónica, quer por Email, continuamos a aguardar que a vistoria se realize na nossa presença, pois acreditamos que temos solução VÁLIDA para que a Extensão de Saúde de Casais volte a funcionar.

É importante também que TODOS saibam que a Associação NUNCA foi informada, até data, oficialmente do encerramento temporário. Apenas tivemos conhecimento através do Presidente da União de Freguesia de Casais e Alviobeira que, segundo ele, foi informado pela Diretora Executiva da ACES do Médio Tejo que a Extensão de Casais estaria encerrada temporariamente durante a pandemia de Covid 19, e que seria retomada a sua normal atividade depois da pandemia.

Achando nós que por cobardia ou facilitismo este organismo deslocou os Utentes de Casais para Venda Nova sem NUNCA falar com os donos das instalações e, numa atitude de perfeita falta de educação, com uma vistoria sem convite e sem aviso, decide encerrar temporariamente um serviço do qual beneficiam muitos utentes, essencialmente pessoas idosas.

Antes de finalizar queremos lembrar todos os Associados e outros que agora se insurgem contra o facto de na Associação funcionar um bar/restaurante, dizendo que essa é a razão da saída da Extensão Médica, que isso é uma perfeita mentira de pessoas que nada contribuírem ou contribuíram para que ainda exista uma coletividade naquele local. Pois antes desta Direção conseguir esta solução para manter a porta aberta a mesma esteve perto de se fechar, pois as despesas existiam todos os meses, os sócios são cada vez menos e NINGUEM se apresenta para fazer parte dos corpos sociais. E aí sim, se a casa fechasse a Extensão de Saúde fechava também, e nesse caso não temporariamente, mas permanentemente. Arranjamos solução para ter a porta aberta, caso exista coragem da ACES do Médio Tejo, arranjamos solução para abrir a Extensão de Saúde.

Terminamos dizendo que não vamos parar de lutar para que no mínimo se reúnam connosco para que possamos apresentar as nossas soluções para que tudo volte à normalidade em Segurança.

Casais, 23 de Junho de 2020

A Direção da ACRCF de Casais

 

 

Resposta do ACES à União das Freguesias de Casais e Alviobeira:

Exmo. Senhor
Presidente da União das Freguesias de Casais e Alviobeira

Compreendo o descontentamento das pessoas. É sempre mais cómodo ter a extensão do local onde se habita a funcionar, tanto mais que, como acontece, na generalidade do País, a população está envelhecida e os transportes públicos são praticamente inexistentes. Por isso, é penoso suspender, mesmo durante uma pandemia, uma extensão de saúde.
No entanto, a actual situação de pandemia, apesar de controlada, continua a ser motivo de preocupação e tem-se verificado o aparecimento de surtos importantes sempre que não se respeitam as medidas de higiene e distanciamento social. Os casos de Azambuja, Lagos, Carcavelos são disso exemplo.
A extensão de Casais apresenta constrangimentos físicos que favorecem a possibilidade de contágio, pondo em causa a saúde de todos os que a frequentam.
Esta situação torna-se mais premente, porquanto o espaço da extensão de saúde está inserido em edifício reaberto a outras actividades, com cruzamento de circuitos.
Com efeito, o funcionamento da extensão de saúde em simultâneo com a cozinha social e a existência de instalações sanitárias comuns, cujo acesso se faz através da sala de espera para os utentes, anula todas as medidas de higiene, distanciamento social e compromete o circuito de segurança a percorrer por todos que frequentam a Associação de Casais.
Compreendemos que todas as medidas restritivas trazem inconvenientes para as populações, caso do estado de calamidade em que nos encontramos.
Da mesma forma, compreendemos que a suspensão temporária dos cuidados de saúde em Casais, possa ser penoso para a população mais desfavorecida e mais envelhecida, mas, de momento, a suspensão da actividade é a medida que melhor defende a saúde das populações e dos profissionais que aí exercem funções.
Atendendo a que há prestação de cuidados de saúde, com melhores condições de segurança, a menos de 2 km, parece-nos perfeitamente justificável a manutenção da suspensão de actividade na extensão de Casais enquanto vivermos em situação de pandemia.
Infelizmente ninguém consegue prever quando teremos a propagação do vírus controlado, nem quando teremos vacina ou tratamento para esta doença, pelo que, de momento, não nos é possível fazer uma previsão de retoma das actividades em Casais.

Com os melhores cumprimentos

Diana Leiria

Diretora Executiva

Escrita por Redação

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Câmara quer comprar a Sinagoga ao Estado

Morreu o dono da Quinta da Gracinda