in

Parabéns

António Paiva, ex-presidente da câmara municipal de Tomar, completa nesta terça feira, dia 10, o seu 60º aniversário.

O aniversariante está atualmente retirado da política. Primeiro foi vereador na oposição pelo PSD, cargo que acumulava com a docência no Instituto Politécnico de Tomar, e em 1998 foi eleito presidente da câmara, lugar que ocupou durante 10 anos, até ser nomeado gestor do Programa Operacional do Centro.

Reformou-se como professor e depois dedicou-se ao mundo empresarial sendo sócio-gerente da empresa Aquino Construções SA até 2019.

A António Paiva, parabéns pelos 60 anos!

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Sim, qualquer professor tem de passar os 65 anos para se aposentar. No caso deste ex presidente de câmara ainda hoje só tem 60, já vai com vários anos de reforma, acumulada entretanto com outras gerências, como diz o redator. Quanto a Tomar é uma dúvida saber o que a cidade lhe deve.

  2. Na minha modesta opinião o último presidente com valor que Tomar teve.
    Como todos cometeu erros, mas deixa saudades.
    Como alguém há uns tempos aqui escreveu Tomar só teve bons presidentes com pessoas de fora, o que concordo em absoluto.
    O pedigree do tomarense típico é algo que devia ser objecto de estudo e eu também nasci em Tomar.

    • Sr. Pedro Freitas lamento, mas discordo do sr. quando diz que o Eng. Paiva deixa saudades como Presidente da Câmara.
      Ninguém é perfeito, mas no meu modesto entender, a actual câmara gerida pela Dra. Anabela Freitas tem sido a melhor desde o pós 25 de Abril. Tem falhas!? Claro que sim, como já disse ninguém é perfeito. O certo é que havendo ou não consenso, a actual câmara tem resolvido problemas que se arrastavam desde à muitos anos( Exs: Várzea Grande, Flecheiro, Av.ª D. Nuno Alvares, dívida do município, entre muitas outras).
      A grande falha do município em meu entender tem sido na captação de novas industrias para se instalar em Tomar, dando trabalho a quem cá reside.

      • Permita-me umas linhas de resposta. O sr. tem todo o direito de pensar como pensa e de escrever como neste comentário. O problema é que comentando escondido por detrás de um pseudónimo, você mostra a real situação tomarense. A atual câmara tem-se revelado tão incapaz que até mesmo os seus apoiantes já não ousam vir defendê-la dando a cara. Só sob nome suposto, e mesmo assim…
        Outra vertente muito curiosa é que o sr. considera grandes obras coisas que afinal não passam de asneiras monumentais. Não concorda? Então explique-nos lá para que servem as obras da Várzea Grande, as obras da Nuna’Álvares, ou as casas para os ciganos?
        Ponderando e sem querer de forma alguma ofender, parece-me que o sr. está a ver o filme às avessas. Admite que “a grande falha…. …tem sido na captação de novas indústrias para se instalar em Tomar, dando trabalho a quem cá reside”. Mas olhe que é exatamente o inverso: A grande falha tem sido a desastrada gestão da atual maioria camarária, que vem provocando a fuga da população trabalhadora e hostilizando os potenciais investidores. Basta comparar com os concelhos vizinhos para não ter dúvidas a esse respeito.

  3. Como diz o povo, entre o senhor Paiva e a dona Anabela, venha o diabo e escolha. O primeiro assistiu indiferente ao encerramento de grandes empresas. Como dinheiro do pólis embelezou e melhorou arruamentos e infraestruturas. Nada contribuiu para o desenvolvimento. A segunda fez igual, não se interessou por investimentos e está a embelezar a cidade. Assim vamos ah ré.

    • É verdade, mas uma verdade incompleta e por isso enganadora.
      A utilidade prática das obras feitas durante os mandatos de Paiva, designadamente o saneamento, não oferece dúvidas. Pelo contrário, os empreendimentos dos mandatos Anabela não servem rigorosamente para nada. Como está à vista na Várzea e na Nun’Álvares. Salvam-se as reparações na Sinagoga, que pertenciam ao governo e o restauro dos três arcos dos Pegões, que também eram obrigação do governo.
      Quanto ao resto o que temos?
      Eutanaziou os SMAS; fechou o parque de campismo; complicou a questão da Estalagem de Santa Iria; não resolveu o problema do Convento de Santa Iria; não resolve o problema da poluição do Nabão; aumentou o custo do parque de estacionamento; em época de profunda crise mantém e agrava os impostos municipais com derramas que ninguém entende; atrai mais ciganos para o concelho, ao conceder-lhes casas e fechar os olhos a práticas de todos conhecidas; depois de ter implementado as 35 horas na autarquia, agora queixa-se da idade e falta de qualidade dos funcionários, que pretende mandar para a pré-reforma com 70% do atual vencimento, desde que tenham mais de 15 anos de descontos. E anda um pobre trabalhador do privado a descontar durante mais de 40 anos, para no fim receber cada mês apenas 75% do último salário.
      É isto Tomar, com a atual maioria PS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Covid-19: ator José Carlos Pereira fala sobre como é ser médico na linha da frente

Biblioteca não tem livro editado pela câmara