in ,

Anabela Freitas: “eh pa, as pessoas são irresponsáveis” (c/ áudio)

A presidente da câmara de Tomar acusou professoras da escola Santa Iria de serem responsáveis por contágios de Covid-19 e consequentes confinamentos de todas as turmas do 1º ciclo.

“Não podemos ter professoras a fazer festas e depois temos de mandar não sei quantas turmas para casa, eh pa”, disse Anabela Freitas numa conferência de imprensa realizada no dia 13, para a qual o blogue “Tomar na Rede” não foi convidado.

A mesma acusação foi repetida pela autarca através de um grupo privado do PS no WhatsApp.

“Eh pa, as pessoas são irresponsáveis. Eh pa, é que nem sequer estamos a falar de pessoas iletradas. (…) Quando não conseguimos assumir as nossas responsabilidades, eh pa”, disse Anabela Freitas naquela conferência de imprensa.

O que aconteceu foi que, no dia 6, uma professora levou os alunos a cantar os reis de sala em sala na escola Santa Iria. Depois no dia 8 foi realizada uma festa de reis com a participação de professoras, funcionárias e alunos. Atividades que, supostamente, não eram do conhecimento da coordenadora da escola nem do diretor do agrupamento que até agora não emitiu qualquer esclarecimento.

Todas as respostas da autarca sobre o tema foram numa lógica de acusar professores e pais de “irresponsabilidade”. Outro aspeto que salta à vista é a linguagem popular e vernácula utilizada por Anabela Freitas, que não se coaduna com o discurso de uma presidente de câmara e de uma comunidade intermunicipal.

Áudio:

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Eh pá os ” numaros” são pesados. As pessoas são umas irresponsáveis , vejam lá que no Natal até andaram nas lojas do comercio local a fazer compras com vouchers que algumas pessoas irresponsáveis deram.
    Eh pá quando estes irresponsáveis que até votaram nos responsáveis que temos não se comportam tem de vir do CIMO para baixo eh pá….

  2. É verdade, ainda há pessoas que não acreditam neste vírus. Mas mais grave, eu ver por aí por alguns estabelecimentos de restauração que costumam abrir no período noturno, em pleno estado de emergência, com grupos de jovens em gênero de festas privadas, a consumir álcool e outros produtos, e ainda gozam com as autoridades e com estas medidas quando saem destes estabelecimentos sem máscaras na sua maioria, provocando ruídos na rua com carros etc. Isto não pode acontecer…

  3. É o que temos, e será, muito provavelmente, o que teremos.
    Linguagem mais para aqui, ou mais para ali, vocabulário mais ou menos, enfim, cada um(a) é como é.
    Mas querer fazer de nós parvos, tratar-nos como se fossemos imbecis, não é perdoável, nem com vitorias eleitorais a darem cobertura.
    Porque a conclusão que somos obrigados a ter, é que não há ética politica, não há consciência politica, não há verdade politica.
    E as promessas eleitorais (pós vitoria!) foram bem claras, conforme consta no jornal Cidade de Tomar, 27/10/2017, pag. 3: “próximos quatro anos serão de obras, e de projetos culturais, nacionais e internacionais”. E por aí fora, até onde a levou o delírio da imaginação politica…
    Estamos todos à espera….

  4. A Sra. Presidente tem toda a razão, exepto, quando utilza “eh pa” que julgo ser uma linguagem inadequada ao cargo que exerce. Em vez que audios e tanta indignação, na prática, façam alguma coisa. Se é para exercer mão pesada em quem não cumpre, que se veja. Não é com a PSP a dizer telefonicamente que não têm meios humanos para se poderem deslocarem.

  5. Tanta indignação e esquece-se de explicar porque os hospitais tem tão pouca capacidade!!!

    Falta de capacidade hospitalar (por enquanto) é responsabilidade do estado, ou neste caso: IRRESPONSABILIDADE do estado, que não previu, e menos ainda preveniu tal possibilidade, pois em lado nenhum, nem sequer na literatura da protecção civil distribuída à população vinha lá como uma das possibilidades a dita pandemia de um qualquer vírus.
    Isto apesar de não ser qualquer novidade as ondas de mortes por vírus ao longo da história, e até todos os anos em Portugal com a gripe por exemplo.

    O estado falha na prevenção e falha no aumento da capacidade de resposta para níveis realmente aceitáveis para a quantidade de população do país: mais de 10 milhões e 100 mil pessoas.

    Onde está a conversão de médicos de família, ou até de enfermeiros, para médicos/ enfermeiros de primeira linha no tratamento às pessoas infectadas? Não se trata de saberem fazer tudo o que os médicos especializados sabem, mas apenas aquilo que está relacionado com esta doença e sob supervisão permanente dos médicos mais especializados que tiraram anos de especialização na área.

    Isto é o que se esperava de políticos com capacidade de iniciativa para solucionar a falta de resposta… mas não… é uma incompetência a todo o nível, já lá vai mais de 1 ano desde que o vírus anda por aí a circular pelo mundo e quase um ano desde que o estado de emergência foi declarado pela primeira vez em Portugal por causa do vírus/ doença e continua tudo mais ou menos na mesma, aparentemente com uma ligeira melhoria na capacidade de resposta mas nada de especial em termos práticos para dar mesmo resposta a milhares de pessoas a acorrer aos hospitais… numa situação hipotética (que é perfeitamente credível por exemplo a seguir a um gigantesco terramoto, se os próprios hospitais não ruírem todos na área afectada: altamente provável).

    Senhores e senhoras irresponsáveis políticos, ganhem vergonha na cara e antes de apontar responsabilidades aos outros, à população, olhem para vós mesmos, e: DEMITAM-SE de vez.

    O vírus faz a sua função que é espalhar-se e afectar cada um de determinada maneira que é útil a essa pessoa, e não é realista esperar que a população com a dinâmica social e dinâmica de movimentação mundial, característica da actualidade, fosse capaz de prevenir tal contágio… só ignorantes políticos poderiam pensar tal coisa! As máscaras e outras medidas era só para reduzir a velocidade do contágio para dar tempo de aumentar a capacidade de resposta e compreender a melhor forma de controlar os sintomas e dentro do possível para tentar encontrar alguma cura… nunca foi para parar a contaminação, porque enquanto houver alguém contaminado no planeta com capacidade de transmissão o ciclo pode reiniciar-se a qualquer momento, por mais que tentem manter as pessoas em casa aqui.

    Parar o país quase todo porque os hospitais não são capazes de dar vazão a tanta gente a procurar essa ajuda especializada para esse um problema, prejudicando a maioria das 10 milhões de pessoas que provavelmente não irão recorrer a eles de qualquer maneira deveria ser considerado crime de lesa-pátria, e ter as devidas consequências que em tempos seria ficar sem cabeça, hoje em dia poderia ser 25 anos de prisão e a proibição permanente de voltar a exercer qualquer cargo político. Sorte a dos políticos que a população não quer ver a realidade como ela é: estão a ser governados por idiotas, talvez idiotas bem intencionados, mas não deixam de ser idiotas, para deixar chegar as coisas a este ponto de querer forçar as pessoas a ficarem fechadas nas suas casas porque não arranjaram ainda solução.

  6. JCWorks dentro dum restaurante ou café sempre foi permitido o consumo de bebidas alcoólicas, mesmo após as 20H…. Apenas é proibido o seu consumo após as 20h em esplanadas e na rua em geral.
    Obrigado

  7. Eh pá, quando uma “distinta senhora” se põe em bicos de pés, em cima de uma mentira, que nem a coragem teve para averiguar junto das Senhoras Professoras, a quem apelidou de “irresponsáveis” só revela prepotência e soberba. Certamente, as Senhoras Professoras, já deram mais à comunidade do que muitos cidadãos que vivem de politiquices…

    • A ” distinta senhora” tem muitos apoiantes e para além da linguagem de baixo nível convinha perguntar:

      Se os portugueses e tomarenses são irresponsáveis então todos os povos europeus são irresponsáveis pois este aumento verifica-se em vários países europeus .Mesmo no Japão que nem celebra o Natal…
      Há mais casos porque Janeiro é o mês das infeções respiratórias porque as temperaturas estão particularmente baixas. Porque é que não divulgam as mortes TOTAIS diárias em vez de só falarem de COVID ?
      Será que o SNS já não estava um caos no Inverno de 2019/2020??
      O confinamento total é uma solução para países ricos, fechar o país a quebra do PIB é de 15% por trimestre.
      Agora para reformados e funcionários públicos a crise não existe por enquanto, pois os ordenados continuam e até com aumentos. Aliás TODOS os serviços camarários estão em tele trabalho . Porquê?
      Em Janeiro de 2019 morreram de gripe 500 pessoas num só dia….
      Esta atitude de atirar a culpa para os cidadãos é tipica dos imbecis e incompetentes.
      Os tomarenses em especial sempre foram no sua maioria bastantes cautelosos e responsáveis, demasiado mansos até.
      Como estão o nosso hospital e centros de saúde quando o bendito TAC continua a ser feito em Abrantes e Tomar funciona como uma espécie de lar ? Preocupe-se em exigir mais valências e operacionalidade para o hospital quando a Ministra da Saúde vem inaugurar uma pintura mural feita por criancinhas. Haja paciência, mas foram os tomarenses que votaram nela, agora não se queixem!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

O caso da eventual candidatura do Rio Tejo a Património Mundial

“Liceu” de Tomar: obras de retirada do amianto prestes a começar