in ,

Morreu José Cristóvão, o dono do hotel dos Templários

Morreu hoje por volta das 11 horas, em sua casa, em Lisboa, o empresário José Cristóvão, de 87 anos, dono do hotel dos Templários e principal rosto do grupo empresarial com o seu nome.

Para já ainda não são conhecidos mais pormenores, mas a notícia do falecimento foi confirmada por um familiar.

“José Cristóvão é aquilo que se designa como um self-made man. Partindo do nada, conseguiu, com muito esforço, inteligência e uma persistência notável, montar um grupo empresarial que envolve hoje cerca de quinhentas pessoas em Portugal e em Angola”, lê-se no livro “O construtor de sonhos”, biografia do empresário que nasceu numa pequena aldeia da freguesia de Olalhas, Tomar.

Apesar de ter construído um império, José Cristóvão nunca se esqueceu das suas origens humildes, sendo muito respeitado por todos os trabalhadores e conterrâneos.

Do seu casamento com Maria Ivone nasceram 10 filhos, que, a pouco e pouco, foram tomando as rédeas do negócio.

O livro “José Cristóvão – O construtor de sonhos”, editado pela Fundação Maria Dias Ferreira em julho de 2018, retrata a biografia do empresário e construtor tomarense.

Editado em parceria com a Câmara Municipal de Ferreira do Zêzere, o livro da autoria de José Afonso Sousa “apresenta a história inspiradora de um homem singular que, graças a uma capacidade única de trabalho, de resiliência e de superação, conseguiu sobreviver a todas as crises e concretizar os seus sonhos”.

José Cristóvão era dono do GJC Hotels, que engloba o hotel dos Templários, estalagem Lago Azul, barco S. Cristóvão, empreendimento Varandas do Lago, hotel Whyte em Lisboa, hotel Cascais Miragem em Cascais e hotel Presidente em Luanda.

Para já ainda não há informação quanto às cerimónias fúnebres. Sabe-se apenas que o corpo vai ser cremado.

À família apresentamos sentidas condolências.

Escrita por Redação

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Obras do Bricomarché em Tomar já começaram

Polémica no Politécnico por causa da palavra “colegas”