in ,

Professores obrigados a declarar se aderem ou não à greve

liceu essmo DSC01803

Os professores do agrupamento de escolas Nuno de Santa Maria, de Tomar, durante o dia de greve nesta sexta feira, dia 31, foram obrigados a comparecer na sua escola e a assinar uma declaração onde informavam se tinham ou não aderido à greve.

Alguns docentes, por motivo de estarmos na semana de avaliação semestral, e estando já libertos das reuniões de conselhos de turma, mesmo vivendo a mais de 100 km da escola, tiveram de se apresentar para preencher o referido documento.

A medida causou muita revolta, pois para além de ser ilegal, transformou o dia de greve de quem vive longe num verdadeiro dia de trabalho normal só para informar que estavam em greve.

 

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Responder
    • Artigo 536.º(lei da greve)
      1 – A greve suspende o contrato de trabalho de trabalhador aderente, incluindo o direito à retribuição e os deveres de subordinação e assiduidade.

      O contrato de trabalho é suspenso
      Não tem que estar no local de trabalho, nem tem que informar previamente, nem tem que informar depois.
      Faltou? não justificou? perde a retribuição.

    • Nunca se deve falar do que se desconhece, para não fazer a sua figura. A greve significa a interrupção de vinculo laboral e não obriga o trabalhador a comparecer no local de trabalho. O que me espanta é que estes professores tenham acatado a decisão sabendo que é ilegal.

  1. Os professores pertencem a uma das classes profissionais mais informadas e esclarecidas que há.
    Se era ilegal, porque cumpriram?

    • Concordo. Deviam deixar andar a ilegalidade e depois pedir a instauração de um processo disciplinar a quem deu tais ordens. Foi isso que aconteceu com o diretor de uma Escola de Benfica que não cumpriu com a lei da greve ao requisitar professores em excesso face às necessidades normais numa greve aos exames no passado. O problema está no clima intimidatória que se vive nas Escolas, resultado das medidas criadas pela “ministra” de governo PS, Lurdes Rodrigues em 2007.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
junta augusto barros O CAMPEÃO DE MOÇÕES Cópia

Presidente da junta urbana exige despesas de representação

IMG 20200201 113224

Jornal Público dedica quatro páginas ao Convento de Cristo