in ,

Presidente da junta urbana exige despesas de representação

junta augusto barros O CAMPEÃO DE MOÇÕES Cópia

Entre as sete moções que o Presidente da junta urbana de Tomar apresentou no congresso da ANAFRE, uma delas diz respeito às remunerações dos autarcas e às despesas de representação.

Queixa-se Augusto Barros que os autarcas não são ressarcidos financeiramente pelos lugares que ocupam, após a agregação das antigas freguesias de São João Baptista e Santa Maria dos Olivais.

Reformado, o autarca não podia acumular o valor da reforma com a remuneração de Presidente de Junta, pelo que optou por ficar a meio tempo, cenário em que já é possível a acumulação. O outro meio tempo ficou para o tesoureiro, José Maria Marques.

O problema é que a meio tempo, os autarcas deixam de beneficiar das despesas de representação. E foi essa a reivindicação principal de Augusto Barros: “a reposição do valor para despesas de representação aos autarcas que exercem tempo inteiro, mas que por necessidade do serviço dividem meio tempo”.

A moção foi aprovada por unanimidade e aclamação no congresso da Associação Nacional de Freguesias realizado no Portimão Arena nos dias 24 e 25 de janeiro.

O ordenado de um presidente de junta (a tempo inteiro), cuja freguesia tenha mais de 10 mil eleitores, é de 1.907,58 euros, acrescido de despesas de representação de 555,49 euros.

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Responder
  1. Mais um socialista que não concorreu para servir, mas para se servir.
    Não gosta das condições, dê o lugar a outro que queira.
    Até parece que o obrigam a candidatar-se ao lugar.
    Não chega de chefes de gabinete, adjuntos, secretários, viaturas, telemoveis por tudo o que é autarquia, e ainda choram de não acmularem a reforma com despesas de representação.
    Assim, está explicado o aumento de 0,3% para aqueles que realmente são funcionários do estado.

  2. Manifestação de inteligência, do senhor autarca. O argumento “…mas que por necessidade de serviço dividem meio tempo.” é sublime manifestação de incongruência.
    Como é ditado popular, “Quer chuva na eira e sol no nabal”.
    Haja vergonha, e consideração por quem trabalha, ou por quem é aposentado e não tem emprego (publio) paralelo, pago por todos nós.

  3. Foi a maior anedota que apareceu em Portimão em termos de moções. Ir pedir um regime especial para a sua junta mentindo que tinha 30 mil eleitores quando tem metade. Receba o ordenado tempo inteiro de lei mais espesas representação e suspenda a sua reforma

  4. A notícia peca pelo facto do seu último parágrafo em nada contribuir para o esclarecimento da opinião pública, antes pelo contrário.
    Deveria sim reportar o número de eleitores da junta urbana de Tomar e consequente vencimento a meio termo para esse número.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
musica festa 8ca9e218c 754x394 1

Sugestões para o fim de semana

liceu essmo DSC01803

Professores obrigados a declarar se aderem ou não à greve