in ,

Ex-presidente António Paiva faz crítica arrasadora à câmara de Tomar

paiva lixo 56 401523802 o

“Palhaçadas POPULISTAS” é como o ex-presidente da câmara de Tomar, António Paiva, classifica a iniciativa da atual gestão camarária de fazer testes covid através do camião da Esperança nos dias 30 de novembro e 1 de dezembro.

“É ABSURDO o ponto a que se chegou em Tomar”, critica o ex-autarca do PSD, que liderou os destinos da câmara de janeiro de 1998 a janeiro de 2008. Questiona: “não devia o executivo Municipal deixar-se de palhaçadas POPULISTAS e fazer o que é da sua competência com o mínimo de RIGOR e deixar para os profissionais de saúde o que é da saúde?”

“Haja quem tenha paciência para explicar a esta senhora (Anabela Freitas) quais são as verdadeiras competências da CÂMARA porque, por este andar, a senhora vai sair de lá sem ter chegado a perceber sequer isso!”, critica António Paiva, revoltado com o lixo que se acumula diariamente na alameda Um de Março.

paiva lixo 56 4015238024151148 o

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Responder
  1. A presidente do município é a responsável máxima pela protecção civil no concelho de Tomar, logo responsável por tentar prevenir os problemas, como o COVID-19 deu direito a uma privação sem paralelo recente nas liberdades do povo, a meu ver de forma errada apenas por erradas decisões políticas, dando até direito a estados de emergência e por aí em diante, parece-me que terá competência sim para usar de todos os recursos que tenha ao seu alcance para tentar solucionar o problema altamente grave (na opinião dos políticos e de alguns médicos que como estão lá no hospital a atender as pessoas pensam que isso lhes dá o direito a decidir sobre todos os restantes 10 milhões de portugueses que nunca lá colocarão os pés por cauda do vírus)… e onde se inclui naturalmente testar as pessoas que tipicamente criam mais riscos como os trabalhadores nos lares, escolas, serviços públicos, etc.

    Uma vez que é um ser humano também pode tratar de fazer com que exista melhor recolha do lixo que é um problema que parece arrastar-se há muito.

    Não tem de ser uma coisa ou outra, tem tempo para tudo, assim queira ter tal como uma prioridade.

  2. Quanto ao “Camião da Esperança”, trata-se de uma iniciativa privada e de promoção da TVI e Global Média. Daí não se entender a ligação da autarquia, promovendo uma tal “palhaçada” da área da direita. A. Paiva, preocupado muito justamente com o lixo na rua e no qual tropeça quando sai de casa a caminho da ginástica, usa, como sempre, os termos truculentos roçando a falta de educação.

    • António Paiva sempre foi um homem do norte, com tudo o que isso implica, de positivo e de negativo. É assim natural, porque de infância, a sua truculência tão caraterística nas pessoas nascidas na região do Douro. Tanto assim que quando ouvem alguém do sul a lastimar-se, atiram logo: Bocê num é um home do norte carago!
      Dito isto, li e reli o texto de A. Paiva e continuo sem entender onde é que o sr. Pina detetou a truculência “roçando a falta de educação”.
      Almas tomarenses demasiado sensíveis às aparèncias, é que é!

  3. Este “homem”, A.Paiva, que na pratica destruiu a cidade de Tomar enquanto a desgovernou, vem agora com falsos moralismos.
    Já praticamente todos te conhecem e quem não te conhece, que te compre…

    • Essa cassete do homem “que na prática destruiu a cidade de Tomar enquanto a desgovernou” já teve o seu tempo. Agora as pessoas já estão a perceber quem está e como está a destruir Tomar. Porque não foi no tempo do Paiva que os tomarenses começaram a fazer a mala. É a mesma situação do governo Costa em relação ao malandro do Passos Coelho. Vai-se a ver… é como diz um conhecido investidor americano: É quando a maré baixa que se vê quem afinal anda a tomar banho sem calções. Ou sem bikini no caso tomarense.
      Um esclarecimento final. Paiva não vem com falsos moralismos. Apenas quer que a câmara cumpra as suas obrigações, em vez de se entreter com palhaçadas de palhaço rico. E tem toda a razão.

  4. Realmente é deprimente ver uma pessoa que através de eleições e só porque conseguiu que o partido a coloque como candidato/a seja eleito para um cargo para o qual não tem a mínima preparação e competência. Isto tem sido a “sina ” das autarquias há anos, salvo raras exceções.
    Normalmente ao final do 1º mandato começam a achar que são donos do concelho e os tiques ditatoriais e vaidades começam a aumentar.
    No nosso concelho existe na Câmara uma dívida Paiva , pagamentos da dívida Anabela, estratégias pessoais, mas no fim o que resultou destas últimas décadas foi uma decadência de Tomar cada vez mais acentuada. Não há estratégia a médio e sobretudo a longo prazo, e hipoteca-se os orçamentos vindouros com contratos ruinosos, como o da EPAL, da Resitejo, da Tejo Ambiente e com o aumento de funcionários camarários tornando na prática o município insolvente. A justificação é sempre a “melhoria do concelho e aproveitar os fundos comunitários. Vimos por exemplo o que foi esse aproveitamento da fonte cibernética /saloia.
    Já para não falar nas geminações com cidades que proporcionam uma belas viagens…
    Os serviços que depois temos são cada vez mais caros e piores, não só do lixo mas por exemplo o preço dos resíduos e da água.
    São tomadas decisões ruinosas que nem sequer constavam no programa eleitoral, quando o há!!
    Já agora porque o Turismo foi um grande “trunfo” desta presidência, o que se passa com o parque de campismo, com o Convento de St. Iria, com a Estalagem, com a melhoria das acessibilidades do Convento??
    A nível industrial NADA , nem sequer terrenos disponíveis para atrair empresas. O que temos são mais supermercados, restaurantes de comida rápida e bombas de gasolina, todos empreendimentos de”ALTOS ” salários e com possibilidade de atrair os jovens tomarenses.
    Mas temos uma palhaçadas televisivas para promover a imagem de Tomar… e gastam-se milhões em embonecar a cidade, sem por exemplo cuidar do que restava da feira de St. Iria e das Passas.
    Por isso compreendo a indignação de determinados munícipes nos quais me incluo, mas os que foram responsáveis por esta VERGONHA não!!!
    Dentro de menos de 1 anos vamos reeleger esta Presidenta e depois continuar a aguentar e dizer mal do que fizemos, salvo os do costume que continuarão a usufruir das benesses socialistas.

    • Concordo consigo, cidadão Caldas. É mesmo uma vergonha. Com uma faceta cínica. Muitos dos que criticam presidentes anteriores, tapam os olhos ao que se vai passando todos os dias., por ser uma maioria PS.
      Aborda o sr. Caldas o caso do turismo, e mostra conhecimento do assunto, numa cidade em que é raro alguém alardear competência nessa área do saber, demasiado recente para estar ao alcance de quem queira. Indo a factos, o ambiente é ridículo nesse sector. Para engalanar, a câmara afirma e reafirma que aposta no turismo. Alguns cidadãos, que tinham obrigação de ser mais precavidos, parecem acreditar nessa treta e vá de avançar que se trata de uma aposta errada.
      Vai-se a ver, a realidade é bem diferente. Não há aposta nenhuma. A câmara diz que aposta, mas não aposta nada. Pelo contrário. Não há estruturas básicas e algumas que havia foram mesmo encerradas. Falo dos sanitários, do parque de campismo e da Estalagem.
      Curiosamente, em todos estes casos, nem foram os eleitos que agiram. Foram os técnicos superiores da autarquia, com os seus avisos velados, como se fossem donos do município. No caso da estalagem, levando à anulação de concurso público lançado pela própria autarquia, com o argumento que há um plano de pormenor que impede obras naquela área. Fica aqui a pergunta: Porque não avisaram a patroa antes do concurso?
      No caso do parque de campismo foi a mesma conversa. Era o parque da cidade, e não um parque de campismo. Com gente assim…
      Ainda na área do turismo, há mais de 10 anos, constatou-se que, devido a uma aselhice dos projectistas, que depois ninguém detectou, nem eleitos nem prendados técnicos, todos competentíssimos, como se vê, a estrada do Convento ficou mais estreita, em dois pequenos troços, o que impede que os autocarros de turismo possam subir e descer aquela via. Pois passada uma década, ainda não houve tempo, nem coragem, nem humildade, nem vergonha para reconhecer o erro e emendar. Preferiu-se um remendo mal amanhado. Os autocarros podem subir, mas não podem descer. Podem portanto ir para o Convento, mas estão proibidos de facto de regressar à cidade. Quem entenda algo de turismo, sabe bem que isto é muito nefasto para o comércio local. Com efeito, só depois de concluída a visita ao Convento, objectivo principal da vinda à cidade, o guia acompanhante fica a saber se dispõe ou não de tempo para uma pequena pausa na cidade. Mas como o autocarro nem pode descer directamente, é claro que prefere ir fazer a tal pausa noutra terra mais acolhedora.
      E depois vem a autarquia apresentar como uma acção histórica a reabertura da porta da Torre da Condessa. Melhor seria estarem calados, repararem o erro crasso, aumentarem a capacidade de estacionamento, resolverem o problema dos sanitários…
      É o que costumo dizer. Com gente assim, está-se mesmo a ver que quem critica é que tem culpa. Porque é demasiado agreste. A velha história bem conhecida: Ataca-se o mensageiro quando a mensagem é desagradável.
      Pobre terra! Pobre gente!

    • Não seria mais prudente e mais próximo da realidade acrescentar um ? no final do seu último parágrafo?

  5. Caro António Rebelo tenho uma secreta esperança que a abertura da porta da Condessa possa ser uma uma nova e mais modesta versão da saída pela porta no Alhambra do último sultão de Granada da dinastia Nazari BOABDIL, que dias antes já tinha assinado a rendição e a sua saída da cidade. Será que vamos perder a nossa sultana??

  6. Caro José Caldas:
    Parece-me bem achada essa sua comparação entre a porta da torre da condessa e a rendição de Boabdil em Granada, a 4 de Janeiro de 1492, exactamente no mesmo ano em Colombo chegou à América, cuidando ter aportado à Índia pelo Ocidente. Por isso ainda hoje os descendentes daqueles que já habitavam as novas paragens encontradas, passaram a ser designados por índios. E ainda hoje, apesar de tanto progresso, o melhor que se conseguiu foi a designação de ameríndios.
    Donde a confusão das crianças e mesmo de alguns adultos luso e hispano falantes: Porquê os americanos de origem são índios e os naturais da Índia são indianos?
    Indo agora à eventualidade encarada por si de virmos a perder a nossa sultana.
    Infelizmente para ela, com tanta asneira e tanta basófia, a onze meses do escrutínio as perpectivas estão longe de ser brilhantes. Dito isto, essa mesma basófia, que é uma das traves mestras da mentalidade tomarense, está já a dificultar o que noutras paragens não seria assim tão difícil. Infelizmente para nós.
    Na minha perspectiva, só uma ampla coligação de centro direita, liderada pelo PSD, com um candidato credível e um programa robusto, dará algumas garantias de vitória. A não ser assim, tudo depende. Apesar da atitude do Chega (entradas de leão, saídas de sendeiro?), restam duas grandes hipóteses. Ou aparece em Tomar uma 3ª força, capaz de ombrear com o PS e os laranjas, ou vamos ter, como em 2017, uma série de forças ornamentais e um combate a dois. A ser assim, estaremos bem lixados e com lixa da mais grossa.
    Um desses dois terá forçosamente maioria absoluta, e nada me permite nesta altura pensar que será o PSD, caso resolva concorrer também com uma senhora.
    É a sina tomarense, desde o 25 de Abril: quanto mais isto muda, mais estamos na mesma, com tendência para piorar cada vez mais e mais depressa.
    Valha-nos a laranja Santa Iria, que se quisesse bem podia.

  7. Caro António Rebelo,

    Já anda nisto há muito mais tempo que eu , e deveria saber que quem faz parte dos partidos não larga o “osso” e as eleições partidárias são mesmo para dar um ar de democracia e legitimar o candidato/a mais votado ainda que se formos a ver o número de votantes que o decidiram é ridículo.

    Por isso não tenho dúvida quem vai ser a candidata do PSD, até porque politicamente esta dentro do correto por ser mulher!
    Logo o tal candidato credível do PSD só se for o D. Sebastião regressado das brumas marroquinas…
    Mais, candidato credível ?? A 3ª força não serviria para mais do que dar cobertura institucional , pois listas independentes acabaram.
    Agora alguém conhecido dos tomarenses com curriculum e em especial disposto a integrar e constituir uma equipa para liderar o Concelho é que acho um milagre!!
    Boa praia e boas reflexões

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
psd lurdes IMG 1513

PSD critica falta de respeito da câmara para com os bombeiros

academico christofh jose

Empresário de Tomar em greve de fome sentiu-se mal