DestaquePolítica

De adjunta na câmara para assistente operacional no “Liceu”

- Publicidade -

Joana Nunes já não é adjunta da presidência da câmara de Tomar. Ficou classificada em 2º lugar no concurso lançado pela autarquia para admissão de assistentes operacionais na área da educação. Nesta altura e desde 5 de setembro está a trabalhar na escola Santa Maria do Olival, que é gerida por Celeste Sousa, presidente da assembleia de freguesia urbana eleita pelo PS onde Joana é vogal do executivo.

Por despacho, a presidente da câmara determinou a cessação da nomeação de Joana Sofia Gaspar Nunes como adjunta a partir de 5 de setembro (ver documento em baixo).

Quanto ao atual secretário na câmara, António Graça, que é também presidente da junta da Sabacheira eleito pelo PS, ficou classificado em 10º lugar entre os 24 finalistas no concurso para assistentes operacionais. Até agora já entraram sete funcionários para as escolas.

Entretanto o autarca concorreu para assistente social da câmara, num concurso em que estão previstos cinco lugares.

Com a ascensão de Hugo Cristóvão (PS) a presidente da câmara, a partir de 1 de outubro, são esperadas algumas mudanças no staff da presidência.

- Publicidade -

cmt desp

Câmara de Tomar admite cinco assistentes sociais de uma assentada

Autarcas do PS entram nos quadros da câmara como assistentes operacionais

 

- Publicidade -

14 comentários

  1. SURREAL, essa tal Joana que despreza os pais e arranjou maneira de por o filho na prisão, e agora vai tomar conta dos filhos dos outros ????? ainda bem que não tenho filhos a estudar senão ficaria preocupada
    VIVA O XUXIALISMO

  2. Politica baixa,as pessoas aproveitam tudo para criticar os politicos por acaso os candidatos até concorreram para os cargos mais baixos da função pública e de ordenado baixissimo infelizmente. Poe exemplo na câmara se Santarém abriram de assentada salvo erro 26 candidaturas porque são necessário. Se fosse em Tomar o que dirim estes politos de terceira categoria.

  3. que ingenuidade….. à primeira vista até pode dar pena, mas não se iluda, esse emprego apesar de ser remunerado com o salário mínimo é a porta da entrada na função pública, o que significa que garante um emprego para o resto da vida, onde não precisa de se chatear muito para ter o ordenado no bolso ao dia 23. Além disso acha que o huguinho ou a celeste não lhe vão dar a mão e promovê-la a uma categoria onde faça ainda menos e ganhe mais, como já aconteceu com a cunhadinha do huguinho?

  4. A senhora foi colocada na escola d. Nuno Álvares Pereira e não na Santa Maria, e, pelos vistos, entenderam que era mal empregue e vigiar meninos e a limpar casas de banho. Vai daí, colocaram-na na biblioteca. Tirem as vossas conclusões.
    Quanto às relações familiares desta senhora com o filho e com os pais, a realidade não é como um “ilustre” escreveu acima.
    Relativamente ao filho, é verdade que fez com que ele fosse preso, mas faltou explicar o que a levou a isso. A senhora estava farta de aturar os maus tratos por parte de um filho consumidor de drogas e traficante. Quanto aos pais, afastou-se deles porque os velh3os aparavam os golpes ao neto.
    A vida da senhora era um autêntico inferno.
    Como é que eu sei isto tudo? É um maroto dum passarinho calhandreiro que passa por cá de vez em quando e me conta coisas…
    As coisas que os passarinhos sabem…

    1. Coitadinha, até me vieram as lágrimas aos olhos com esta história tão comovente. Fiquei de tal forma desolada que resolvi ir até ao mouchão para me distrair. Então não é que quando lá estava começo a ouvir os passarinhos e comecei a prestar atenção ao que diziam, foi então que fiquei estarrecida com o que ouvi. Não é que aquele chilrear queria dizer que era tudo mentira, que afinal o miúdo não consumia nem muito menos traficava drogas. Aí fiquei mais descansada pois já estava a pensar que raio de educação e acompanhamento a tal senhora lhe teria dado para que descambasse para esse caminho. Quase me assustei com uma coruja das torres, que timidamente saiu do chorão junto ao rio e do alto da sua sapiência me disse que afinal a vitima não era só a tal Joana mas também o miúdo, pois pois, vitimas de um perigoso companheiro a braços com a justiça. Entretanto passaram por lá umas crianças alegres e felizes e a coruja fugiu. Fiquei tão entusiasmada com esta fábula que, se calhar, amanhã vou lá voltar

  5. Tacho e mais tacho para os amigos, típico do socialismo local e nacional, nada de novo portanto…
    Agora normalizarem isto com a vida ”difícil” a nível pessoal dos envolvidos, é das coisas mais estúpidas que já li por aqui…
    É tacho e pronto…

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo