SociedadeDestaque

Câmara volta a contratar gabinete de arquitetos da av. Nuno Álvares Pereira

- Publicidade -

O mesmo gabinete de arquitetos que idealizou o projeto de requalificação da av. Nuno Álvares Pereira, em Tomar, foi novamente contratado pela câmara desta vez para a requalificação da avª Cândido Madureira, rua dos Arcos e vários arruamentos do centro histórico.

O contrato com o gabinete Domitianus Arquitetura, de Lisboa, no valor arredondado de 81 mil euros, foi assinado no dia 20 de abril e o projeto tem de estar concluído no prazo aproximado de oito meses.

Para a elaboração do projeto, a câmara de Tomar apenas consultou dois gabinetes: o Domitianus Arquitetura e o Baldios, responsável pelo projeto do largo de Cem Soldos.

De recordar que o projeto da avª Nuno Álvares Pereira ficou marcado por vários erros que levaram a câmara a ter de desembolsar mais dezenas de milhares de euros para remediar os problemas, além de atrasar a obra vários meses.

Quanto ao que está previsto na avª Cândido Madureira, rua dos Arcos e arruamentos do centro histórico, o diagnóstico da câmara aponta a falta de acesso pedonal no Largo do Quental, rua de S. João e rua Infantaria 15, o mau estado do pavimento rodoviário e a falta de mobiliário urbano na avª Cândido Madureira, a iluminação pública obsoleta, a falta de caldeiras e o mobiliário urbano muito degradado na rua dos Arcos, entre outros problemas (ver documento em baixo).

- Publicidade -

Segundo o caderno de encargos “o prazo para a elaboração das várias fases do projeto, com exceção da assistência técnica, é de 250 dias, subdividido nos seguintes prazos parcelares:

 Fase 1 – Levantamento topográfico: 30 (trinta) dias, a contar da data da assinatura de contrato;

 Fase 2 – Estudo Prévio: 30 (trinta) dias, a contar da data de entrega do Levantamento topográfico;

 Fase 3 – Projeto Base: 120 (quarenta) dias a contar do dia útil seguinte à comunicação de aprovação do Estudo prévio;

 Fase 4 – Projeto de Execução: 70 (setenta) dias, a contar da data da aprovação do Projeto base, dos quais deve ocorrer em separado:

 área A (Avª Cândido Madureira);

 área B (Rua dos Arcos);

 área C (Arruamentos do Centro Histórico);

 Fase 5 – Assistência técnica à obra durante o período de execução da obra.

Aos prazos acima referidos serão descontados os prazos a consumir pelo dono do projeto com a sua aprovação”.

- Publicidade -

3 comentários

  1. A câmara (os seus decisores), têm o direito de contratarem quem bem entenderem!
    Como é do conhecimento público, as decisões são ponderadas consoante a qualidade versus preço do trabalho encomendado,
    Quem tiver dúvidas que prove que há alternativa mais competente e mais barata.

  2. Por estas e por outras é que apenas os velhos e ignorantes ficam na zona centro. Pensar que a gestão pública é para fazer o que se quer como se quer e ainda ter apoio da população revela o destino da maioria das cidades nesta zona, a desertificação.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo