in ,

Hotel dos Templários ultrapassa “fase muito complicada”

Com cerca de 100 funcionários e uma estrutura pesada para manter, o hotel dos Templários em Tomar passou “uma fase muito complicada” desde que chegou a pandemia e foi declarado estado de emergência.

Com prejuízos muito avultados, o grupo a que pertence o hotel optou por fechar apenas o hotel Mirage em Cascais, assegurando os serviços mínimos nas restantes unidades.

Segundo nos revelou o diretor do hotel, José Medina, tinham de ser salvaguardados os postos de trabalho e a segurança dos edifícios.

Com equipas reduzidas ao mínimo, o hotel dos Templários manteve-se a funcionar, mas praticamente sem clientes, “muito pouco negócio”.

Felizmente o pior já passou e desde meados de maio que as unidades hoteleiras do grupo José Cristóvão têm vindo a registar uma crescente procura.

No final de junho conseguiam atingir ocupações de 20 a 30% e um pouco superior ao fim de semana no hotel dos Templários, o que José Medina considera uma vitória tendo em conta a conjuntura.

Melhores resultados, dada a sua localização à beira da albufeira de Castelo do Bode, tem registado a estalagem do Lago Azul: mais de 80% de ocupação durante a semana e sempre 100% aos fins de semana. “Tem sido muito bom”, rejubila José Medina.

Em Tomar, o hotel dispõe de 177 quartos e 14 salas de reunião, mas estas têm estado vazias já que os eventos foram quase todos cancelados inclusivamente até abril do próximo ano.

Mesmo sem clientes, a manutenção do hotel tem custos muito elevados. Por exemplo, num dos primeiros meses após o início da pandemia, a fatura da água foi de 5 mil e 800 euros.

Para José Medina, os funcionários “são família” e por isso aponta como preocupação constante a manutenção dos postos de trabalho. A maior parte dos cerca de 100 funcionários do hotel estiveram em layoff, tempo que foi aproveitado para formação.

José Medina, diretor do hotel dos Templários

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Foi e é um excelente hotel, tanto em instalações como em serviços, onde a eficiência e simpatia de todo o staff merece um sublinhado bastante positivo.

  2. Desde que chegou este novo director, mais um entachado, que o Hotel vai de mal a pior, e não ponham as desculpas no COVID. Quis vir o mostrar que sabe mundo e manda muito e toca a desfazer o que o anterior director tinha, estivesse bem ou mal..

  3. Uma das perdas de rendimento….foi os clientes da piscina e do ginasio….que pagavam uma anuidade para usufruirem da piscina….e este diretor veio impor a regra de exclusividade …só para quem estivesse alojado no hotel….resultado; ficou sem ninguem…e a piscina sem clientes….excelente gestor…

  4. Já alguém perguntou de onde veio este diretor? Com tanta vontade de mostrar quem manda é com tiques de ditador, uma visão mais retrógrada do que a do avô do antigo diretor..

  5. Fala muito bem, para o exterior.
    O exemplo da fatura da água, é despropositado. Não havendo clientes, não há consumo desse valor, só pode ser acerto.
    Mostrem sim os custos de gestão.
    100 funcionários para 177 quartos? Estrutura pesada e sem rácio de qualquer cabimento.
    A gerir desta maneira bem pode passar o covid que a pandemia é interna.

  6. Sei de trabalhador que foi obrigado a assinar a sua própria carta de despedimento, acho que não é caso único, é legal? Podem fazer isso? Compreendo o medo dos restantes que lá trabalham. E são “família” imagino se não fosse.

    • Funcionário e família, que piada! Vários não tiveram contratos renovados, pessoas com filho, vários tiveram q assinar o próprio despedimento com ameaças, só fica lá quem è amiga da amante do diretor que trabalha lá, já até virou piada no hotel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Câmara de Tomar no Agroal à boleia de Ourém

Silvado invade estrada