in ,

Várzea Grande: arquiteto Lourenço Gomes orgulha-se do projeto (c/ áudio)

Varzea Grande antonio martins 346371 4523712532696468673 n
Foto de António Martins

“Orgulho-me do que lá está”, disse o arquiteto Lourenço Gomes, autor do projeto de requalificação da Várzea Grande, em Tomar, em entrevista ao programa Tomarlugar, da rádio Cidade de Tomar.

Apesar das críticas que tem lido e ouvido, o arquiteto diz que, se lhe dessem o projeto da Várzea Grande a fazer novamente, “fazia exatamente igual, com algumas correções”.

Lourenço Gomes diz que frequenta agora mais vezes aquele espaço e agrada-o “estar ali naquela praça e por vezes olhar para o Convento de Cristo”.

A obra foi adjudicada pela câmara à empresa Angulo Recto – Construções, Lda., de Vila Nova de Famalicão, e custou mais de 3 milhões de euros.

A entrevista completa ao arquiteto Lourenço Gomes pode ser ouvida aqui.

varzea grande 3909569299786232327 o

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Responder
  1. É sempre assim. Mesmo os autores das maiores barbaridades e dos maiores falhanços morreram convencidos de que estavam cheios de razão. Os Nazis, por exemplo, ainda hoje acham que o holocausto foi algo justo e necessário.
    No caso, não é tão grave nem tem comparação. Trata-se apenas de mais um caso de obstinação, ou casmurrice, de um arquitonto que nem sequer se dá conta de que trabalha para a sociedade onde vive, e se essa sociedade não gosta da sua obra, não são os eleitores contribuintes que têm de mudar, é ele.
    Certamente “de esquerda”, acredita estar no caminho certo da História, mas se a sua amiga Anabela vier a perder nas próximas eleições, a obra falhada da Várzea grande em muito terá contribuído para isso. Fica aqui a anotação, para que conste na devida altura.

  2. É sempre bom quem fez ou projetou as coisas/obras assuma que as fez.

    Como arquiteto que pelos vistos é , não estranha atitude convencida da sua razão. O urbanismo só recentemente é compartilhado por arquitetos com os resultados sociais que vamos constatando e não são particularmente bons. A ideia de querer impor uma ideologia na maneira de definir o espaço público e privado já vem de trás , mas atualmente todos são em maior ou menor grau discípulos de Le Corbusier.
    O próprio Niemeyer em Brasília aplicou na folha em branco que tinha as ideias com algum resultado positivo.
    Mas o problema começa em espaços consolidados e com utilização pública, onde os seguidores tipo como o nosso Siza só fazem “abortos”.
    É o caso da renovação/reabilitação da Várzea.
    Ficou impraticável, ambientalmente um atentado, e devido a erros e omissões do projeto ficou muito mais cara!!
    Orgulhar-se disto é um bocado bacoco.
    Mas quando impingem aos clientes de habitação unifamiliar os caixotes totalmente inadequados para o nosso clima e tradição está tudo dito.
    O Siza nem os que vivem com os apoios sociais ( RSI ) que sabemos quem são, quiseram habitar nas casas que projetou em Évora!

  3. Não consigo atingir o objectivo daquilo.
    Se era para se ver melhor o o Convento bastava pôr um óculo de ver ao longe.
    Que aquilo como parque de estacionamento faz falta… isso faz!
    Dinheiro muito mal gasto

  4. A maior vergonha, ao menos podia ser útil para parque, ou um jardim, a condizer com a estória da cidade!
    E aquele terreno foi cedido para a feira de S. Iria.
    E como de costume no nosso país, alguém se lembrou de ganhar uns escudos .

  5. Para alguns é um orgulho uma obra destas, para outros nem por isso. Podiam ter construído um estacionamento no subsolo, barato e seguro sem grandes custos adicionais. Assim muita gente deixaria lá o carro e podia ir no comboio de manhã a Lisboa tratar dos negócios ou trabalhar e voltava á tarde para a sua casa em Tomar. Assim sem lugar para estacionar o carro, fica difícil. Visão de projecto com pouca utilidade publica e estilo arquitectónico provinciano. Parece mais uma maquilhagem pré-eleitoral.

  6. Continua a ter o espaço para a dita feira, nesse aspecto ninguém pode realmente se queixar. É uma infelicidade ser completamente inútil o resto do ano, tanto para a população como para visitantes.

  7. Alguém sabe em que fase estão os WC’s públicos que já deveriam estar a funcionar naquela zona?
    Na fase do não sairá do papel, certo?
    Será difícil comprar à Bricantel ou outra empresa um WC já pré-feito e instalar no local e meter/ manter a funcionar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
festa templaria 077 94857028496785408 n

Festa Templária em versão reduzida começa hoje em Tomar

acid 424155731 3488490497171407161 n

Despiste no IC9 provoca um ferido