DestaqueEconomia

Mais dois restaurantes abrem lado a lado no centro histórico

Na rua Silva Magalhães, no centro histórico de Tomar, estão para abrir por estes dias dois restaurantes, lado a lado.

Na esquina, perto da cervejaria do Fernando, vai abrir o restaurante Landeira, que promete “novo espaço, novo conceito”. É um empreendimento dos donos do restaurante Beira Rio.

Ao lado, onde já funcionou o restaurante “O Tó”, vai abrir o restaurante Rua Direita, do mesmo proprietário do Desafiart, junto ao pavilhão municipal.

tomardrive banner out. rodape 2020 41 7293055622693185155 n Copia

Num raio de poucos metros juntam-se naquela zona quatro restaurantes: Fernando, Perdigoto, Landeira e Rua Direita.

Oferta já há, agora que venham os clientes. Votos de sucesso!

restaurante IMG 20220602 135732

8 comentários

  1. De facto, há mais restaurantes na Rua Silva Magalhães, além dos mencionados na notícia e, se juntarmos cafés, mais ainda.
    A Rua Silva Magalhães está a transformar-se numa street food e isso só pode ser bom para Tomar

  2. Tomar está em grande, nota-se o progresso e o desenvolvimento.
    A cidade está cheia de vida, há dinamismo e investimento.
    O trabalho da câmara municipal tem sido estruturante e atrativo, o resultado é bem visível.
    Os Tomarenses, “verdadeiros” agradecem o retorno dos seus investimentos nesta bela cidade.
    Tomar é linda!

  3. Quanto é que lhe pagam por esta prosa triunfalista, suposto Manuel? Foram só alguns subsídios? Ou terão sido “ajustes diretos”?
    Tomar está então em grande, cheia de vida, com dinamismo e investimento? Tudo devido ao trabalho da câmara municipal (que) tem sido estruturante e atrativo e o resultado é bem visível? E que tal um bocadinho de recato e de vergonha na cara? Um módico de respeito pela realidade envolvente?
    Falta água na Sabacheira e em S. Pedro. Há incidentes no mercado semanal. Há roubos na cidade e nas freguesias. Habitantes que não conseguem dormir devido ao barulho excessivo. Falta estacionamento. Pelo menos um automóvel vandalizado em plena cidade. É isto o Tomar em grande?
    Entre 2009 e 2022 desapareceram do concelho 5.019 eleitores, o equivalente à população de duas ou três freguesias.
    O resultado do trabalho da câmara municipal é bem visível? Pois lá isso é. Entre 2021 e 2022, deram à sola 187 eleitores, contra apenas 92 em Ourém (que tem mais 7 mil eleitores que Tomar) e 83 em Abrantes. Efeitos da pandemia? Errado entusiástico Manuel. De acordo com os dados oficiais publicados, há mais óbitos em Ourém que em Tomar.
    No próximo congresso nacional de vigaristas e outros trafulhas, não se esqueça de se inscrever, Manuel tomarense verdadeiro.

  4. O Grande trabalho da câmara que consiste em fazer obras inúteis e fechar estradas, limitar o parqueamento dentro da cidade que como é sabido atrai as pessoas à cidade, nada melhor que tentar estacionar o carro no domingo e não encontrar parqueamento, as pessoas inteligentes fogem dessa cidade o mais depressa possível.

  5. Não critiquem a câmara municipal. Tenham calma e saibam esperar. Sobretudo, e porque colhemos por aqui ares de Fátima, tenham fé. Então não se lembram da promessa da sra. presidente de que viriam uns industriais/investidores, a abarrotar de dinheiro, montar uma graaaaande unidade industrial em Tomar? Que seria um fartar vilanagem de postos de trabalho? Não se lembram da notícia que ela deu de que tinha dois investidores para a revitalização da Platex?
    Neste último caso (disse-me um passarinho que aqui passou) a coisa só não pegou porque os 2 investidores desistiram porque as respectivas “marias” se desentenderam e andaram à batatada em plena via pública.
    Quanto ao primeiro caso, a fábrica ainda não começou a ser construída, mas está para breve, aguardando-se apenas que o governo desvie a linha do norte para a zona industrial, com o respectivo terminal de carga. Segundo me disse o mesmo passarinho, estão bastante adiantadas as negociações com o sr. José Vidal para compra da totalidade dos terrenos da quinta Casal das Freiras, para que se possa avançar com as obras.
    Como vêem, há que dar tempo ao tempo. A câmara sabe muito bem que a economia resultante da actividade industrial, geradora de valor acrescentado e mais-valias financeiras, é importante mas não indispensável. Por seu lado, a economia com base na bica e no pastel de nata é que é! Está na moda e aconselhar-se!!!

    Haja calma, pessoal, haja calma!!!

  6. Terá escapado ao jornalista e aos comentadores que afinal aqueles dois restaurantes ocupam as instalações de dois outros entretanto encerrados, os quais por sua vez ocupavam as instalações de outros estabelecimentos entretanto encerrados, e assim sucessivamente.
    Há um detalhe positivo. Ao contrário do que aconteceu com as grandes unidades industriais do concelho, cujas ruínas vão apodrecendo lentamente, os pequenos estabelecimentos que vão fechando por falta de clientes, vão sendo substituídos por outros de investidores, cheios de esperança e que ainda acreditam em milagres. Se calhar devido à proximidade de Fátima.
    Parece por isso oportuno aconselhar que vejam o recente filme, em parte filmado em Tomar, sobre as aparições de Fátima, salvo erro na Netflix. Vale a pena, porque a história está muito bem contada. A tal ponto que nem se vê a Senhora sobre a tão apregoada azinheira. Para quem queira entender…

  7. Tomar, é uma cidade onde até podem nascer restaurantes, mas ao fim de um tempo, torna-se um Flop.
    Come-se mal e paga-se caro.
    A cidade morreu, e não é a festa de 4 em 4 anos que a vai salvar.
    Pouco e caro estacionamento, edifícios velhos e devolutos, obras a perder de vista.
    Em vez de se modernizar está a afundar-se.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo