in ,

Professor João Patrício reforma-se e é condecorado em Ansião

joao patricio 3006131190533980160 n

Ao fim de 46 anos como professor, João Patrício entrou na fase de aposentação. O seu nome consta da lista dos aposentados e reformados, a partir do próximo mês de junho, publicada no Diário da República de 6 de maio.

João Patrício terminou a sua carreira como professor de história na escola Gualdim Pais, que pertence ao agrupamento Templários, em Tomar.

Nasceu a 3 de abril de 1955 em Lisboinha, uma pequena aldeia da freguesia de Pousaflores, no concelho de Ansião, mas fixou-se em Tomar há mais de 50 anos.

A câmara do concelho onde nasceu vai homenageá-lo no feriado municipal de 13 de maio com a entrega da Medalha de Mérito – Grau Prata do concelho de Ansião.

João Patrício Gomes, além de professor é ator (atualmente no grupo Fatias de Cá), declamador e contador de histórias.

 

46 anos e 4 meses depois

6 de janeiro de 1975 a 6 de maio de 2021 – 46 anos e 4 meses depois, João Patrício Gomes aposentou-se.

Nesta hora, deixa uma mensagem de gratidão para os colegas, coordenadores e diretores de escolas por onde passou, não esquecendo auxiliares de ação educativa e serviços administrativos. E por último, que considera deveria ser primeiro: aos alunos.

João Patrício chegou a Tomar em 1970, para trabalhar no Colégio Nun’Alvares. O ambiente do CNA era propício ao estudo. Nas horas vagas foi estudando e quatro anos depois, com 18 anos, ele próprio se propôs a fazer o 7º ano, no Liceu Nacional de Tomar. Obteve excelentes resultados o que lhe permitiu concorrer ao ensino. Tinha apenas 19 anos. A primeira escola foi em Cabeceiras de Basto, onde permaneceu durante três anos. Estava inscrito na Faculdade de Letras de Coimbra, tendo-se transferido para a mesma Faculdade, mas no Porto, por razões de proximidade. No ano de 1978, esteve em Oliveira de Azeméis, tendo ido para Arouca onde permaneceu até acabar a licenciatura em História.

Regressa a Tomar (Escola Preparatória nº 1) no ano de 1980 onde, durante dois anos fez estágio. Foi colocado em 1982 como professor efetivo na Escola de Ferreira do Zêzere. Em 1983 fica definitivamente em Tomar na Escola Preparatória nº1 (mais tarde Gualdim Pais). Foram cerca de 40 anos nessa escola.

joao patricio 1262 3847155912826436889 n
João Patrício, à esqª, com os colegas em Cabeceiras de Basto

Desempenhou vários cargos e foi coordenador de vários clubes, nomeadamente relacionados com a Biblioteca da Escola (Poesia, histórias, leituras dramatizadas, teatro e ultimamente o Clube Cadetes do Exército)

A par das atividades letivas, João Patrício, esteve envolvido em vários projetos culturais tanto na cidade de Tomar como na região. Tudo começou em 1998 com o convite de Nuno Garcia Lopes, para colaborar no Grupo “O Contador de Histórias”. Foi a grande encruzilhada do seu destino.

Desde então nunca mais parou. Inscreveu-se em várias agências de figuração e atores e fez publicidade, filmes e novelas umas vezes como figurante, outras como ator. Fez teatro durante cerca de 20 anos na Canto Firme, estando de momento, no Fatias de Cá. Colaborou durante cerca de cinco anos com a ADIRN, não esquecendo a Festa dos Tabuleiros.

Agora aposentado, João Patrício já pensa noutros projetos a divulgar em breve.

Segundo ele diz e parafraseando Miguel Torga: “Apesar das desilusões e das rugas valeu a pena… fiz o melhor que pude e essa consciência é um bordão seguro contra qualquer decrepitude”.

Em 2019, o jornal da sua terra, Terras de Sicó, publicou uma entrevista na qual João Patrício fala sobre as suas origens, o seu percurso como estudante e depois já como professor de história, atividade que concilia com presenças constantes em filmes, novelas, séries e anúncios publicitários.

É esse trabalho da jornalista Carina Gonçalves que a seguir transcrevemos:

Era uma vez um menino que nasceu no seio de uma família pobre em Lisboinha, uma pequena aldeia da freguesia de Pousaflores (Ansião). A infância dura deu-lhe forças para lutar por aquilo que sempre quis: uma vida melhor. Por isso, entrou em todos os jogos do destino para ganhar. E foi somando conquistas atrás de conquistas. Hoje tanto dá vida ao faz de conta, como embarca numa viagem no tempo levando consigo os seus alunos. Falamos de João Patrício Gomes, o professor que se aventurou como contador de histórias e chegou até actor.

João Patrício nasceu a 3 de Abril de 1955 em casa, “como todos nasciam nessa época”, contou ao TERRAS DE SICÓ, recordando uma “infância dura” marcada por “fome e frio”. O tempo era dividido entre a escola, para onde ia a pé e descalço, e os campos, onde guardava o gado.

Molhar os pés

À vila de Ansião foi pela primeira vez “teria 6 ou 7 anos” para levar as vacinas e voltou passados poucos anos para ingressar no Externato António Soares Barbosa. Foi nessa altura que conheceu as lendas associadas à Rainha Santa Isabel, que séculos antes fazia questão de passar por Ansião nas suas viagens entre Tomar e Coimbra para “molhar os pés nas águas milagrosas do Rio Nabão”. E tal como ela, também João Patrício lá fora molhar os pés várias vezes com esperança de que o milagre acontecesse e lhe trouxesse uma vida melhor. Mas não ficou à espera do milagre, foi à luta.

Assim, terminado o 5.º ano (actual 9.º ano) teria de rumar para fora do concelho para continuar os estudos, porém os seus pais não tinham condições financeiras para suportar tais despesas. O pai era cantoneiro na Câmara Municipal e “no Verão levava-me para a reparação das estradas”, onde “via passar com frequência uma carrinha do Colégio Nun’Álvares, em Tomar”. Sabendo que o director era natural do Alvorge, um dia decidiu indagá-lo sobre a possibilidade de ir trabalhar e estudar no colégio. “Ele olhou para mim e disse-me: primeiro tens de cortar o cabelo”. Assim fez. E voltou mais apresentável para receber a notícia de que iria começar a trabalhar imediatamente como telefonista. “Não foi nada fácil”, recorda, alegando que “vinha de uma pequena aldeia para uma cidade enorme, sem nunca ter saído de casa dos pais”. No início sentiu-se “muito sozinho”. Afinal, “estava num colégio enorme e desabitado, uma vez que eram férias”. “Também ninguém me ajudou”, lembra, adiantando que “talvez fosse isso que me ajudou a continuar a lutar pelo que queria”. A partir daí “foi sempre a trabalhar e estudar” até terminar a licenciatura em História.

Professor

“Hoje tenho 44 anos de serviço”, sublinha João Patrício, frisando que quando iniciou a carreira de docente “a figura do professor era muito querida e tinha um peso tremendo na sociedade, que se foi deteriorando até hoje”. “Agora, não renego que sou professor, mas por vezes oculto a minha profissão, porque a sua conotação nem sempre é a melhor”. Independentemente disso, aula após aula, mantém “o fascínio de embarcar numa viagem no tempo e proporcionar aos alunos essa mesma viagem” com base em “dramatizações históricas”, que promove também no quartel de Tomar no âmbito do Clube “Cadetes do Exército” e no Convento de Cristo.

Habituado a contar episódios da História do país e do mundo, certo dia João Patrício foi assistir a um espectáculo do grupo “O Contador de Histórias” e aventurou-se também ele a contar uma história. Depois dessa, seguiu-se outra e outra… “Tornei-me contador de histórias e de repente fui entrando na promoção da leitura e da escrita”, disse, notando que “hoje os meninos são ávidos de histórias em virtude dos computadores lhes darem jogos”.

Outra faceta: actor

Enquanto contador de histórias percorre o país de lés-a-lés, até que um dia alguém no público assiste à actuação de João Patrício e descobre nele outra faceta: a de actor. Abraçou assim mais um desafio e hoje divide o seu tempo entre o ensino, as histórias e a representação. “Seguramente já fiz 15 a 20 filmes, não só nacionais mas também internacionais”, congratula-se este ansianense, que foi ficando pela cidade dos Templários e hoje “tenho a pretensão de dizer que estou muito bem integrado em Tomar”, onde já foi “a figura da terra”, um feito que lhe falta ser em Ansião, a sua terra natal.

“Na representação gosto de encarnar personagens cómicas, bem-dispostas e com muita exteriorização”, revela, alegando que “na minha vida também sou assim desde pequeno”. Aliás, “a minha mãe diz que comecei a falar com seis meses e comia com a colher de lado para que poder continuar a falar”.

E se tivesse de escolher entre professor, contador de histórias e actor? “Não seria capaz”, adora a profissão de professor, tal como adora contar histórias e representar. Por isso, “faria o mesmo percurso”. “Agora se me perguntarem qual a actividade mais desafiante, é a de actor, sem dúvida”, adianta. E neste campo está neste momento a gravar a novela “Flor de Sal”, que será transmitida na SIC e cuja acção decorre no distrito de Leiria. Além disso, está a trabalhar também com o Teatro Canto Firme de Tomar e vai participar noutros projectos que serão desvendados brevemente.

Ansião

E Ansião? “Eu sempre vim cá, talvez seja injusto dizer que me esqueceram, mas este executivo camarário quer chamar a diáspora, ou seja, todos aqueles que são de Ansião e andam por fora”, afirmou João Patrício, adiantando que “tenho sido chamado no âmbito dessa dinâmica”. “Enfim, estou a ter um certo reconhecimento pelos políticos da minha terra e sinto-me orgulhoso por isso”.

Entre um trabalho, outro e ainda outro, está a família. “Não é fácil gerir tanta actividade sem nunca faltar na escola”, tal como “não é fácil arranjar tempo para a família, mas eles sabem que gosto disto e deixam-me ir, muitas vezes até me acompanham”.

 

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
porco a13 1

Insólito: um porco na autoestrada (c/ vídeo)

cast lar s. josé idosos

Centro de Assistência Social de Tomar vai ter comissão de trabalhadores