SociedadeDestaque

Perigo: reboco de parede caiu na Corredoura

- Publicidade -

Esta semana, uma parte do reboco da fachada de um prédio na Corredoura, no centro histórico de Tomar, caiu para a via pública onde passam peões e veículos. Por sorte ninguém foi atingido.

Para sinalizar o perigo, os serviços de proteção civil colocaram grades e fitas junto à parede do prédio, o que acabou por estreitar a passagem de peões e veículos dado que, do outro lado, está a vedação das obras da igreja de S. João Baptista.

São várias as situações de perigo deste género em Tomar, algumas que se arrastam há meses anos e até há anos, como acontece na av. Cândido Madureira e na rua Gil Avô, etc.

corredoura perigo IMG 20221210 100803

Perigo

- Publicidade -

Prédio em degradação provoca perigo no centro histórico

Perigo na rua Infantaria 15

Perigo: caíram telhas do beirado da escola profissional

 

Proponha uma correção, sugira uma pista: 

Envie fotos e vídeos para  ou por aqui

 

- Publicidade -

7 comentários

  1. É apenas virtual, calma!
    A dinâmica imparável das festas e das festanças, mais os eventos, impede que a degradação aconteça.
    Tudo está bejm!

  2. Este prédio onde funcionaram a companhia de seguros Bonança e o Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa é propriedade da neta de Albano Barreiro, e está em degradação há perto de 20 anos. A proprietária, tanto quanto me informaram em tempos, foi intimada a fazer obras de manutenção para se evitar um acidente. Fez sempre vista grossa aos avisos. De resto, a senhora tem uma colecção de prédios herdados, todos eles a necessitar de obras.
    Não se perspectiva nenhuma acção punitiva, dada a habitual inércia das autoridades municipais. Por outro lado, a dona Belita, emérita presidenta desta maravilhosa cidade segundo o sr. “Manel”, que é tão lesta a promover despejos e expropriações, parece baixar as orelhas e meter o rabinho entre as pernas quando se trata de envolver no processo uma possível amizade…digo eu!
    Só espero que em Julho de 2023, quando a rua estiver apinhada de gente à passagem dos tabuleiros, o prédio não volte a dar de si quando for sujeito a vibrações sonoras provocadas pelo burburinho e pela música das bandas que compõem o cortejo. Se tal acontecer é fácil imaginar as consequências…

    1. Adoro o seu comentário pela pertinência da situação reveladora da mediocridade de quem está à frente dos destinos da cidade. Quando há obras ilegais insignificantes é lesta a mandar aplicar coimas. É – se preso por ter cão e por não ter, como diz o povo.

  3. A ainda cidade e futura vila vai caindo aos bocados, agora de forma visível. Mas já está a cair há mais de 30 anos desde que começaram a desaparecer ofertas de trabalho qualificado e com a atividade económica a reduzir-se. Esse é o problema que nenhum “verdadeiro tomarense” quer ver ou se vê, encolhe os ombros.

    1. Tomar parou no tempo e a imagem urbana vai. – se degradando porque não há quem notifique para que façam as obras de conservação. O caso mais gritante é que junto ao bairro da Caixa foram limpas árvores de pequeno e não tocaram num plátano de grande porte. Em 2019 CMT foi alertada por carta para o perigo que representa e… NADA!

      1. Sr. Carlos Martins ,penso que estará enganado quanto ao proprietário do referido prédio !
        Se não erro . por herança calhou a uma familiar do Porto que mais tarde vendeu .
        Não sendo atualmente da família que referiu !

        1. Tudo bem. A informação que tenho deve estar desactualizada, daí o meu pedido de desculpas a quem se sentir ofendido(a) . De qualquer modo mantenho a crítica que fiz integralmente.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo