in

Paróquia de Alviobeira desde 1863 a peregrinar a Dornes

Foto de António Freitas

Todos os anos e já lá vão 156 que as gentes da paróquia de Alviobeira rumam ao Santuário de Nª Srª do Pranto a Dornes em peregrinação levando a bandeira na sua festa do “Círio”. O dia é “sagrado na terra”, é a segunda feira de Espirito Santo, segunda feira de Pentecostes, que o Papa consagrou este dia a Nª Srª e este ano a bandeira foi levada pelo Pedro Oliveira, Manuel da Conceição Alves e os irmãos Rui Nunes e Luís Nunes.

Como manda a tradição, fizeram o peditório, pois foi um “círio pedido” como diziam os antigos e o povo contribui para as despesas. Depois, na véspera, os tremoços e vinhos ou seja uma festa de partilha ou “bodo”, certamente uma reminiscência das festas do Divino Espírito Santo.

Pela manhã, pelas 8H30 a oração de saída pelo Padre Sérgio Santos na Igreja, o foguete no ar às 9H00 e os carros e carrinhas e este ano motas antigas e um Ford de 1930 com os ocupantes trajados à época, do filho desta freguesia nascido em Ceras (Cabouco) e baptizado em Alviobeira, Manuel Ribeiro, agora residente nos Calvinos,  que adora o círio a Dornes.

No Ramal da Igreja Nova, seis cavaleiros e uma charrete com um parelha da escola equestre Vitor Rodrigues, mais uma charrete de uma amante da arte de cavalgar esperaram a comitiva e a mesma certinha e direitinha às 10H00 estava a parar na Eira de Paio Mendes para o pequeno almoço de partilha e campestre, como faziam os nossos pais, como fizeram os nossos avós, bisavós, tetravós, como Alfredo Keil o pai do Hino Nacional na época de 1880 pintou  e desenhou, quando fazia férias no Carril.

Este ano calhou no Dia de Portugal e há anos que não calhava no feriado Nacional do 10 de Junho a nossa “Segunda feira de Espírito Santo”. Por isso, tantos foram a Dornes. Registo que a fé deste povo  foi simbolizado por umas 10 pessoas que saíram de Alviobeira às 7H00 da manhã e foram a pé e que às 10H00 passaram junto a nós na Eira rumo ao Santuário. Foi assim em tempos que se peregrinou, é assim que gente de muita fé e promessas peregrina.

Na Igreja de Dornes a missa foi cantada pelo Coro da Igreja de S. João de Tomar e orquestrada musicalmente por um pianista filho da terra, o João Oliveira, irmão do Pedro. O órgão e os cânticos fizeram correr algumas lágrimas de emoção.

Foi um dia assinalável, o deste Círio e um almoço de partilha, como manda a tradição e comido por ali, até ao terço do final da tarde e receber o Cirio da Sabacheira ao final do dia que chega. Depois, partir rumo a Alviobeira com mais a paragem da Eira e visita à Quinta da Eira, com a sua capela antiga, uma tradição de visita a um local privado, mas que os proprietários fazem questão de que o Cirio de Alviobeira ali faça a sua visita como sempre o povo desta paróquia fez.

Registe-se que em 2013, nos 150 anos do Círio de Alviobeira , o Rancho desta localidade fez uma recriação histórica à época, com muita charrete e muitos cavalos e com honras de reportagem da RTP. Em 2014 (9 de Junho de 2014) voltou a repetir essa mesma recriação, passando por dentro da Vila de Ferreira a cumprimentar os autarcas da Câmara. Um ano destes é de equacionar nova recriação à moda antiga, pois o Círio de Alviobeira a Dornes é uma festa muito nossa, que todos os anos se faz e recordar tempos idos é reviver o que as nossas gentes viveram este dia, com bailes, convívio, alegria e amizades.

                                              António Freitas

 

Escrita por António Freitas

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comentários

Apelo * (atualização)

Rádio Comercial dedica “New York, New York” a Torres Novas (c/ vídeo)