in ,

Modelo tomarense denuncia ameaças

Sara Sequeira, a modelo tomarense que foi alvo de assédio por parte de um revisor da CP no comboio entre Carrascal e Tomar, diz, em entrevista ao Correio da Manhã, que tem sido alvo de ataques e ameaças nas redes sociais.

“São muito à base do ‘pôs-se a jeito’, algumas são de mulheres a defenderem aqueles atos e também tenho recebido mensagens de homens a dizer que me vão violar”, denuncia Sara ao jornal.

Apesar das ameaças, Sara não desiste de defender a sua posição e os seus direitos, tendo o apoio da família e amigos, conforme vai dando conta no Instagram.

Em relação ao processo disciplinar que a CP moveu contra o revisor que a assediou, Sara diz que nada sabe, apesar de ter pedido informações sobre a situação.

O Correio da Manhã, na sua edição de hoje (17 de setembro) dedica uma página ao caso.

Vítima de assédio por revisor da CP ameaçada

 

View this post on Instagram

Tomar. Eu gostava de ser tomarense. Uma pata brava. Mas sabia perfeitamente que aquele era um meio muito pequenino. Onde as pessoas são igualmente pequeninas. Onde a maior parte das mulheres são submissas. Onde somos ensinadas a sê-lo. Não posso dizer que tenho orgulho na minha terra… Pelo contrário. Tenho vergonha sempre que leio comentários. Conto pelos dedos os tomarenses que ficaram no meu lado. Talvez porque o assédio seja muito banalizado lá. E talvez seja por isso que poucos jovens se aguentam por lá. Não é só lá, mas talvez me sinta mais, por ser a minha terra. Eu sempre fui a menina no meio de homens. Os meus grupos de amigos eram maioritariamente homens. Homens que respeitam as mulheres. Onde eu podia ser 100% eu. Onde me vestia como gostava e isso talvez fizesse confusão a muitos. Não importava, na verdade, se era gola alta ou vestido. Os meus amigos recebiam mensagens constantemente de mulheres a questionar como conseguiam ser meus amigos. Onde todos os dias eram criados boatos. Boatos em Tomar, são o prato do dia. Todas as semanas descobria algo novo sobre mim. Lembro-me de uma vez dizerem ao meu pai que lamentavam imenso a minha imensa perda de peso por estar com uma decepção Amorosa (pelos vistos com o meu melhor amigo). Comecei a rir (começo a rir sempre que fico irritada) e fui falar com a pessoa que o disse. Isto é diário. Fui embora dali e as coisas acalmaram. Mesmo assim uma rapariga invadiu o meu Facebook (conseguiu a pass) esperou que estivesse num sitio sem rede e ligou ao meu namorado na altura… tentou de uma maneira muito baixa que ele terminasse comigo. Ser livre num meio pequeno é "estar a pedi-las" . Ser livre é "pedir para ser falada". Ser livre é "nao saber onde é o nosso sítio". É saber que estamos no lado certo e mesmo assim tentar perceber mentalidades pequenas.

A post shared by sara sequeira (@sara_cm_sequeira) on

 

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. A novela continua. E se o Correio da Manha (sem til no a, obviamente) dedicou uma página é porque o assunto é sério. Interessante o querer ser uma “pata brava”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Tomarense decano dos universitários escreve carta aberta aos estudantes

Colisão provoca dois feridos