in ,

Presidente da junta urbana exige despesas de representação

Entre as sete moções que o Presidente da junta urbana de Tomar apresentou no congresso da ANAFRE, uma delas diz respeito às remunerações dos autarcas e às despesas de representação.

Queixa-se Augusto Barros que os autarcas não são ressarcidos financeiramente pelos lugares que ocupam, após a agregação das antigas freguesias de São João Baptista e Santa Maria dos Olivais.

Reformado, o autarca não podia acumular o valor da reforma com a remuneração de Presidente de Junta, pelo que optou por ficar a meio tempo, cenário em que já é possível a acumulação. O outro meio tempo ficou para o tesoureiro, José Maria Marques.

O problema é que a meio tempo, os autarcas deixam de beneficiar das despesas de representação. E foi essa a reivindicação principal de Augusto Barros: “a reposição do valor para despesas de representação aos autarcas que exercem tempo inteiro, mas que por necessidade do serviço dividem meio tempo”.

A moção foi aprovada por unanimidade e aclamação no congresso da Associação Nacional de Freguesias realizado no Portimão Arena nos dias 24 e 25 de janeiro.

O ordenado de um presidente de junta (a tempo inteiro), cuja freguesia tenha mais de 10 mil eleitores, é de 1.907,58 euros, acrescido de despesas de representação de 555,49 euros.

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Mais um socialista que não concorreu para servir, mas para se servir.
    Não gosta das condições, dê o lugar a outro que queira.
    Até parece que o obrigam a candidatar-se ao lugar.
    Não chega de chefes de gabinete, adjuntos, secretários, viaturas, telemoveis por tudo o que é autarquia, e ainda choram de não acmularem a reforma com despesas de representação.
    Assim, está explicado o aumento de 0,3% para aqueles que realmente são funcionários do estado.

  2. Manifestação de inteligência, do senhor autarca. O argumento “…mas que por necessidade de serviço dividem meio tempo.” é sublime manifestação de incongruência.
    Como é ditado popular, “Quer chuva na eira e sol no nabal”.
    Haja vergonha, e consideração por quem trabalha, ou por quem é aposentado e não tem emprego (publio) paralelo, pago por todos nós.

  3. Foi a maior anedota que apareceu em Portimão em termos de moções. Ir pedir um regime especial para a sua junta mentindo que tinha 30 mil eleitores quando tem metade. Receba o ordenado tempo inteiro de lei mais espesas representação e suspenda a sua reforma

  4. A notícia peca pelo facto do seu último parágrafo em nada contribuir para o esclarecimento da opinião pública, antes pelo contrário.
    Deveria sim reportar o número de eleitores da junta urbana de Tomar e consequente vencimento a meio termo para esse número.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Sugestões para o fim de semana

Professores obrigados a declarar se aderem ou não à greve