in

A festa, o protagonismo e o essencial

Arbustos ornamentais morrem à sede

Vai por aí uma azáfama inusual. Trabalha-se afanosamente em quase todas as ruas, nas rotundas, nos jardins e nos relvados. Há que enfeitar para o grande espetáculo. Para promover a cidade, dizem. Na verdade, apenas para tentar matar a sede de protagonismo, o gosto pelo penacho, essa síndrome tão tomarense. Apareço, logo sou bom. Um herói!

Infelizmente, mesmo ao lado do grande palco enfeitado, das ruas engalanadas, a situação é bem triste. Em plena zona nobre da cidade, junto ao Café Santa Iria, ao fundo da Alameda, ao lado do Minipreço, e logo mais acima, próximo da Rua Amorim Rosa, arbustos ornamentais morrem à sede, por falta de manutenção. Mesmo ao lado crescem as ervas, que a a câmara não manda cortar.

Tudo isto se calhar por falta de tempo, de pessoal, ou de organização adequada.

Resta-nos contemplar estas fotos, pelos jeitos do agrado dos tomarenses. Coitada da terra que tem gente assim!

Leitor identificado

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comentários

Sanitários para deficientes colocados junto a escadas

Festa dos Tabuleiros: cerca de 1650 crianças no “Cortejo dos Rapazes”