NecrologiaDestaque

Funeral do professor Arlindo Marques ainda não está marcado

- Publicidade -

O funeral do professor de música Arlindo Marques só deverá realizar-se na quarta feira, dia 20, após a realização da autópsia, que também ainda não está marcada.

Aos 66 anos, Arlindo Marques, professor de música em Tomar, morreu repentinamente em sua casa na estrada de Leiria, no sábado, dia 16.

O seu desaparecimento deixou em choque os seus muitos alunos a quem ensinou guitarra desde os anos 80, alguns dos são hoje figuras proeminentes na música. Moisés (dos Quinta do Bill), Quitó de Sousa (professor de música em França) e José Santos (professor de música em Ourém) são apenas alguns exemplos.

Lecionou na Canto Firme, na escoa Nun’Álvares, no Conservatório Regional de Tomar, na Universidade Sénior de Tomar, entre outras instituições.

Era filho de Américo Marques Migalhas, um mestre da arte da latoaria, falecido nos anos 80. A sua irmã, Otília Marques, seguiu as pisadas do pai sendo atualmente a única latoeira em Tomar.

- Publicidade -

Arlindo Marques era casado com Maria Aurora Bernardo Marques, também professora de música, com quem teve quatro filhas.

No Facebook, largas dezenas de pessoas publicaram mensagens de pesar, de homenagem e de despedida a um homem que deixou a sua marca no ensino da música em Tomar. Transcrevemos algumas dessas mensagens:

 

A vida às vezes não é justa… uma pessoa querida, pessoa rara, amiga, guia… Descanse em paz, vamos nos encontrar novamente

Quito De Sousa está a sentir-se triste.

 

O meu primeiro professor de guitarra e de muitos músicos Tomarenses. Até sempre Arlindo

José Santos

 

Fez parte dos primeiros professores a leccionar na Canto Firme. Descanse em paz.

Rosário Sousa

 

Triste.

Quando estivemos em Março aí em Tomar, ainda combinámos umas guitarradas…

Fica para uma próxima Arlindo.

Abraços a todos e família.

Jorge Rivotti

 

Tive o privilégio, embora, com o meu caminho na vida avançado, ainda fui a tempo de o conhecer como meu, Professor, Arlindo Marques, sua calma e paciência me ensinou a dar grandes dedilhados e belos na guitarra clássica.

Obrigada.

Que Deus o receba no Seu Reino…

À família beijinhos.

Isabel Pereira

 

Grande HOMEM. Terrível notícia. Deixa saudades; uma serenidade e humildade associada a um profissionalismo ímpar! Uma perda enorme para a nossa comunidade onde o Arlindo (professor Arlindo) participou ativamente cumprindo o seu papel inestimável de profissional competente. Obrigado Arlindo. O Tomar que o conheceu está-lhe profundamente agradecido: Eu sou uma das testemunhas disso mesmo! Abraço sentido à família que perde um Homem destes.

António Paiva

 

Sentimentos a toda a família

Grande amigo, professor e músico. Obrigado por tudo amigo.

Rui Sérgio

 

Estou mesmo em choque. 2022 tem sido mesmo madrasto. É o segundo amigo que me desaparece de repente, em pouco tempo. Para ti Aurora e para as tuas filhas um beijinho muito especial. A ti, Arlindo, vamos encontrar-nos um dia sem o sofrimento da morte. Tu partiste mas deixas uma obra de que te podes orgulhar, bem como toda a tua família. Tomar ficou mesmo mais pobre…Adeus Amigo!!!

Eduardo Ramos Pinto

 

Um grande professor, e um grande ser humano! Vai deixar muitas saudades a quem com ele lidou de perto. Fez dos meus filhos uns excelentes músicos. Ainda hoje me falam dos concertos que eles faziam com ele na sinagoga e no convento, sobretudo o Gustavo. Paz à sua alma, e sentidos pêsames à sua família.

Maria Elvira Do Canto

 

Tomar ficou mais pobre.

Partiu um homem bom.

Sentimentos à família.

Helena Chambino

 

A música e todos nós ficamos mais pobres, sentidas condolências à família.

Jose Luis Sirgado Mirandela

 

O Migalhas partiu com a sua viola e a sua música.

Tomar mudou muito e caiu numa espécie de anomia.

Muitos, hoje, não saberão quem é o Arlindo Migalhas…

Nem que herdou o “Migalhas” do pai que foi um grande senhor de outra arte.

O Arlindo faz parte da história da música em Tomar e não se pode falar de música, do ensino da música e de espetáculos musicais em Tomar esquecendo o Arlindo Marques, o Migalhas.

Desde os anos 70 quando nós, os jovens da época, nos encontrávamos numa sala da torre da Igreja de S. João Baptista porque eramos o Coro da Igreja.

O Arlindo estava lá.

E estava lá a Aurora com a sua voz celestial.

A música juntou-os no amor a dois.

Fomos ambos professores na Nun’Álvares mas era a viola que era a “sua praia”.

Visitei-o algumas vezes na sua casa e a viola estava sempre presente.

Foi professor de viola da minha filha… como de muitos outros a quem abriu as janelas da música.

Escolheu ser discreto.

Não procurou palcos, nem protagonismos mediáticos.

Viveu a música

Sempre a música.

E saiu de cena, como viveu… sem alarde.

Para ele, as palmas de pé que nunca procurou.

Para a Aurora,

um abraço

Maria Luísa Patrício

224043607 4082018388514293 8226763736614362664 n
Arlindo Marques (à dtª) com Quitó de Sousa na Canto Firme, nos anos 80

- Publicidade -

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo