in ,

Politécnico de Tomar vai ter de reduzir despesas e aumentar receitas

São crónicas as dificuldades financeiras do Instituto Politécnico de Tomar. Em dezembro de 2019, o IPT foi notícia, juntamente com os politécnicos de Castelo Branco e Santarém, pelas dificuldades em pagar os salários de novembro e dezembro e o subsídio de Natal, o que obrigou a um reforço das verbas transferidas pelo Estado.

Perante esta situação, o governo exigiu àqueles três politécnicos que tomassem medidas urgentes para colmatar as necessidades financeiras. Até ao fim do mês têm de apresentar medidas de redução de despesas e aumento de receitas, segundo o jornal Público que cita o secretário de estado do ensino superior, João Sobrinho Teixeira.

O jornal conseguiu falar com os presidentes dos politécnicos de Castelo Branco e Santarém que adiantam algumas medidas, mas no caso de Tomar, o presidente João Coroado reservou para o final do mês qualquer comentário.

Segundo o balanço social de 2018, no total, trabalham no IPT 357 pessoas, entre funcionários e professores, distribuídos pelas três escolas superiores: Tecnologia e Gestão em Tomar e Tecnologia em Abrantes. O último levantamento conhecido apontava para 1974 alunos.

Três politécnicos sem dinheiro para pagar salários. Governo exige reestruturação

Politécnico de Tomar é o que tem menos alunos

Escrita por Redação

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Comentários

0 comentários

Centro Hospitalar abre concursos para admissão de quatro especialistas

Zé Cabra em Tomar