in ,

Megaoperação no matadouro de Tomar

Fraude fiscal, branqueamento de capitais e falsificação de documentos no sector da produção, comércio e abate de suínos são as suspeitas que levaram a uma megaoperação no matadouro de Tomar, pertencente à empresa Ribasabores.

As buscas começaram logo pela manhã nesta terça feira, dia 30, centradas nas empresas Ribasabores, de Tomar, e Suinicomércio, de Leiria, que se dedicam ao comércio de animais vivos e abate de gado, pertencentes ao mesmo proprietário, Luís Manuel Caseiro da Fonseca, que já terá sido constituído arguido.

A operação suini-fatura foi acompanhada pelo Juiz Carlos Alexandre e abrangeu 24 locais – sedes de sociedades e instalações pecuárias, veículos automóveis, habitações e agências bancárias – na região de Leiria, Tomar e Montijo.

Segundo a reportagem da SIC Notícias, foram alvo de buscas três bancos onde foram encontrados e apreendidos mais de 10 milhões de euros nos cofres e contas bancárias.

Acompanharam a operação dois magistrados do Ministério Público, 21 inspetores tributários, oito peritos informáticos e 32 agentes da PSP.

A SIC Notícias adianta que participaram também inspetores da ASAE por haver suspeitas de que a origem da carne seria alterada. Além disso, o SEF também acompanhou as buscas por haver indícios de que as duas empresas recorreriam a mão de obra ilegal.

 

DCIAP investiga fraudes fiscais no setor da produção e abate de suínos

Reportagem da SIC Notícias (c/ vídeo)

Buscas em empresa de suinicultura de Leiria

Escrita por Redação

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Bombeiro tomarense ajuda a salvar menina

Reconhecer competências é objetivo para funcionários do hotel