in ,

Tomar perdeu quase 300 eleitores desde as últimas eleições

IMG 20190526 134142 Copy

Segundo o mais recente recenseamento eleitoral, que vai funcionar para as eleições presidenciais do próximo dia 24 de janeiro, Tomar perdeu 295 eleitores desde as eleições legislativas de outubro de 2019.

Para as legislativas estavam inscritos 34.326 eleitores, enquanto que para as presidenciais são 34.031, segundo dados do Ministério da Administração Interna. Apesar disso, Tomar é o segundo concelho da região com maior número de eleitores, a seguir a Ourém.

Concelhos como Vila Nova da Barquinha, aumentaram o número de eleitores.

 

ConcelhoNº eleitores
Abrantes31 806
Alcanena11 781
Almeirim19 625
Alpiarça6 221
Benavente24 232
Cartaxo20 579
Chamusca7 740
Constância3 326
Coruche15 961
Entroncamento16 973
Ferreira do Zêzere6 932
Golegã4 878
Mação5 899
Rio Maior17 706
Salvaterra de Magos18 878
Santarém51 024
Sardoal3 203
Tomar34 031
Torres Novas30 895
Vila Nova da Barquinha6 193
Ourém40 937

Resultado do recenseamento eleitoral à data de referência 9-janeiro-2021 (Data do encerramento dos cadernos para a eleição)

 

Nº de eleitores nas freguesias do concelho de Tomar – 2021

Asseiceira2 383
Carregueiros972
Olalhas1 172
Paialvo2 023
São Pedro de Tomar2 443
Sabacheira888
União das freguesias de Além da Ribeira e Pedreira1 101
União das freguesias de Casais e Alviobeira2 468
União das freguesias de Madalena e Beselga3 300
União das freguesias de Serra e Junceira1 653
União das freguesias de Tomar (São João Baptista) e Santa Maria dos Olivais15 628

 

Escrita por Redação

Blog informativo Tomar na Rede. Notícias sobre Tomar e região envolvente. Informação local e regional.

Comentários

Responder
  1. A hemorragia demográfica e o consequente definhar mais ou menos lento, continuam. Mas enquanto houver dinheiro para os gastos e os funcionários receberem pontualmente, tudo bem. O sector privado que se lixe.
    Quando um dia tudo se desmoronar, como já aconteceu nos países do leste europeu, praticamente todos vão jurar que sempre foram contra o que estava, que se fartaram de pedir reformas, que protestaram sem resultado… O costume.
    Em 24 de Abril de 1974 eram quase todos “da situação”. Uma semana mais tarde, em 1 de Maio, a esmagadora maioria desfilou a favor do 25 de Abril. E praticamente já não havia ninguém “da situação”. Uma população assim presta para alguma coisa?

  2. Não se percebe a relação entre “os funcionários receberem” e o setor privado “que se lixe”. Que funcionários? Os professores, os médicos, enfermeiros, polícias, ou a minoria de funcionários da câmara? E que setor privado? Os bancos, a EDP, a Sonae/Continente, o Pingo Doce, a Galp, a Repsol? Ou será que falamos dos pequenos negócios privados que vivem do consumo dos ditos funcionários.

    .

    • Compreendo a sua dúvida, cujo esclarecimento cabal não cabe num comentário. Segue portanto a tentativa de aclaramento possível.
      O que se pretendeu mostrar foi a gritante diferença entre a função pública em geral, com empregos vitalícios e promoções automáticas por antiguidade, por um lado; e o sector privado, com empregos precários e raras promoções, por outro lado.
      Há depois a questão dos funcionários indispensáveis, com tarefas bem definidas (médicos, enfermeiros professores, forças de segurança, etc.) e o chamado “império dos sentados”, cuja utilidade prática em geral, para além do voto, não é nada evidente. Assunto demasiado vasto para um comentário.
      Resta “o sector privado que se lixe”, uma simplificação da atitude geral dos instalados (governo e autarquias) em relação ao sector privado em geral. Aqueles que vivem dos impostos desprezando os que os pagam.

  3. Compreendo a intenção mas comentários públicos
    tanto simplificados enviezam o esclarecimento e o desejado rigor. Ainda assim, promoções automáticas já não existem, tirando o caso das melhorias salariais por antiguidade como acontece nos privados. Note-se que números oficiais mostram que toda a função pública perdeu rendimentos na última década. Nos privados haverá que distinguir os sempre aflitos das microempresas, familiares (aquelas só até 10 trabalhadores, modelo de que os tomarenses desejam), das verdadeiras empresas, com dimensão, suportadas por uma posição firme no mercado (aquelas que, olhando os resultados autárquicos nos últimos 30 anos, os tomarenses nao querem). O império dos sentados existe, não é desejável, mas não deverá ser visto, em parte, como uma fase transitória para atenuar o desemprego em locais deprimidos?

    • Seja qual for a justificação que se queira atribuir à importância e/ou utilidade do império dos sentados, a situação tomarense é nesse aspecto deveras preocupante. Um funcionário municipal por cada 57 eleitores é um manifesto exagero. E um pouco mais de 40% do orçamento anual da autarquia. Até no Alentejo profundo existem poucas situações semelhantes, quanto mais agora a menos de duas horas de Lisboa, e com transporte ferroviário directo.
      Se a isso juntarmos a maneira como em geral somos servidos por esses ditos servidores públicos, podemos ver até onde já chegou a nossa ruína. E só há pouco tempo Anabela Freitas, após 7 anos de mandato, lá foi dizendo que os recursos humanos municipais não são os mais adequados.
      Gabo-lhe a coragem, uma vez que o seu chefe de gabinete e o seu vice presidente na altura acabaram por ser expulsos do elenco autárquico, até agora sem qualquer esclarecimento, após terem “emprateleirado” numa unidade dita de “queimados” alguns técnicos superiores influentes, os quais continuam em funções, como se nada tivesse acontecido…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0
camara 5095964046570553344 n

Câmara volta a reunir por videoconferência

palacio alvim IMG 20201219 131808

Palácio Alvim abandonado e cada vez mais degradado (c/ fotos)