DestaqueSociedade

Padre Mário merecia ou não luto municipal e bandeira a meia haste?

Não deveria a câmara colocar a bandeira a meia haste e decretar luto municipal pela morte do padre Mário Duarte, vigário de Tomar?

Fomos contactados por vários elementos da comunidade cristã de Tomar indignados pelo facto de a câmara de Tomar não ter decretado luto municipal e não ter colocado a bandeira a meia haste, ao mesmo tempo que mantém o programa de animação para sexta e sábado à noite no Mouchão.

Independentemente das opções religiosas de cada um, todos reconhecem o papel que o padre Mário teve nas comunidades por onde passou.

Aliás, na curta nota de quatro linhas que a câmara publicou no Facebook reconhece-se que “o padre Mário era uma pessoa envolvida na comunidade e estimada pela mesma”. Refere-se ainda que o seu “desaparecimento precoce é uma perda notória para o concelho”.

No entanto, eram públicas as relações tensas entre a atual maioria autárquica e a paróquia enquanto foi dirigida pelo padre Mário. Foram várias as divergências sobretudo quando se tratava de eventos públicos, em que o pároco muitas vezes era ignorado.

Nesta fase, a questão está em avaliar se Mário Duarte, enquanto figura pública do concelho, e pelo trabalho desenvolvido da comunidade, merece ou não merece que seja decretado luto municipal pelo seu falecimento.

Digam de vossa justiça!

misericordia IMG 20200821 164832

A Santa Casa da Misericórdia foi uma das instituições que colocou a bandeira a meia haste

11 comentários

  1. Uma figura pública de Tomar deveria ser respeitada pela Câmara, independente da opinião que cada um de nós tenha sobre a sua intervenção na comunidade. Mas quando os que governam, sendo servos do povo, julgam-se superiores não é de estranhar a ausência de qualquer atitude digna. E, o que diz a oposição?

  2. Porque cumpriu a missão que tinha, nada o qualifica para homenagens especiais.
    Cumpriu, bem ou mal, uma missão com intervenção publica obrigatoria.
    Representou e defendeu um credo.
    Apoiou poessoas, como era a obrigação que lhe vinha do credo.

  3. Deve aplicar-se o regulamento previsto para estes casos. Caso não haja o critério passa a ser amiguismo, pagar favores, fazer a pequena vingança ou o “parecer bem”. Resolvam.

  4. A veia clerical e conservadora da cidade de Tomar tem sido a causa principal do seu atraso. Luto municipal (ou até nacional), pois então, bandeiras a meia haste, nome numa avenida importante.
    Pobres de espírito.

  5. Não percebo como pode a morte de uma pessoa causar tanta polémica!?! O padre Mário era um ser humano como todos nós, com qualidades e defeitos, com pessoas que o adoravam e outras que nem tanto mas apesar de tudo merece o respeito de todos nós, infelizmente faleceu e já não se pode defender ou justificar do que dizem agora. Merece também respeito a sua família neste momento de dor, talvez seja hora de o deixar descansar em paz, a ele e à família.. Calçar os sapatos dos outros pode ser difícil mas às vezes ajuda a compreender..
    Quanto a bandeiras e lutos municipais… O que interessa isso agora?!?! Se for feito, ok! Se não for não é nada do outro mundo, acredito que nem o sr padre ia dar tanta importância a este assunto.. Vivam, deixem-se de mesquinhices, pensem na vossa felicidade e na dos vossos…

  6. As pessoas só morrem, quando são esquecidas, o Padre Mário, jamais o será. Ele alimentava a nossa Fé, com o dom da palavra que tinha, através do Espirito Santo. Quem o conheceu verdadeiramente, sabia que era um Homem com H grande, pelo seu carisma, amizade e inigualável vontade de ajudar o próximo. As pessoas podem realmente nao acreditar, e não são obrigadas, mas por não acreditarem, não quer dizer, que não seja verdade. Sim, há quem diga, e com razão, que era a obrigação Dele, como a de todos os Padres, mas a persistência e a paixão, em tudo o que fazia, fez Dele uma Pessoa INSUBSTlTUIVEL. E sim, para quem pensava que não existiam, Elas existem, mas só quem vê com olhos de ver, é que as consegue identificar. Sugiro que vão estando atentos, pois o tempo voa…
    Quanto ao resto, na minha opinião, claro que SIM, que Ele merecia o Feriado e tudo a que tinha direito. Com todo o respeito, pois não passa da minha humilde opinião. E uma vez mais, reitero, que em todas as profissões temos que dar o nosso melhor, mas no caso do meu AMIGO, tudo o que Ele fez, enquanto Deus quis, podia Outro fazer parecido, mas Nunca seria a mesma coisa. Um Grande Agradecimento, à Sua MÃE, que o educou para ser o Homem que foi. A todos os que sofrem, como eu, com esta grande perda, continuem a darem-se bem, e a fazer e a ser, o que Ele esperava de Vós. Por fim, sejam Felizes, que era a vontade Dele. As minhas condolências à Família.

  7. Perdemos o nosso padre querido e maravilhoso. 😢Era uma pessoa única pela forma como tocava o coração das pessoas. Nas suas eucaristias, por vezes parecia que anjos lhe segredavam o que dizer, de tal forma eram inspiradoras e impactantes as suas palavras. Claro que deveria ter sido decretado luto municipal e claro que a bandeira da câmara deveria ter estado a meia haste. Por tudo o que representa para tantos tomarenses. Seja-se católico ou não, gostasse-se do padre Mário ou não, o que importa são os factos, e os factos são a pessoa que ele foi, tudo o que fez e a importância que tinha para a comunidade tomarense. E que era muita. E era isso que devia ter sido tido em conta e nada mais. Li comentários horríveis, de quem não respeita nada nem ninguém, mas vozes de burro não chegam aos céus . E Tomar está de luto. Perdemos o nosso padre querido e maravilhoso. E insubstituível. Mas viverá para sempre no coração de tantos que o amavam

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo