in ,

Alvaiázere: ex-presidente da câmara fala sobre o suicídio da sua mulher

Porquê? O que leva uma pessoa a cometer suicídio? Como se lida com o sofrimento de quem perdeu um familiar que acabou com a própria vida? São perguntas inquietantes que nos põem a pensar.

O suicídio não pode ser um tema tabu até porque importa prevenir e ajudar quem precisa quando está a passar por uma fase menos boa.

A 28 de fevereiro deste ano a vida de Paulo Tito Morgado, ex-presidente da câmara de Alvaiázere, mudou completamente quando a sua mulher decidiu pôr termo à vida, sem que nada o fizesse esperar.

Depois do choque, vêm a pergunta: porquê? Podem ser muitas as razões, como escreve o ex-autarca num texto que partilhou no Facebook. Meio ano depois, Paulo Tito Morgado aborda o assunto e presta homenagem à sua mulher: “Resta a dor profunda 😥A saudade infinita 🖤Olha pelos nossos meninos 🙏🙏Amo-te ❤

Nascida em França, Dominique Fernanda Martins Marques Morgado, 49 anos, foi professora e contabilista. Deixou dois filhos.

Pela pertinência do tema e numa lógica de prevenção, transcrevemos a mensagem de Paulo Tito Morgado:

SUICÍDIO É UM MOMENTO EM QUE O PENSAMENTO ENCONTRA A OPORTUNIDADE.
Suicídio não é cobardia…
Suicídio não é frescura…
Suicídio não é egoísmo…
Suicídio é, muitas vezes, o último grito de desespero de uma pessoa em sofrimento máximo.
Suicídio é, muitas vezes, um ato de amor. É a forma que a pessoa encontrou, que a sua mente o convenceu de ser o melhor modo, de não fazer sofrer quem o rodeia.
Suicídio é, muitas vezes, para a pessoa que o comete um ato de coragem pois morre de medo do que encontrará do lado de lá, mas quer proteger quem está do lado de cá, para quem julga ser um peso.
Suicídio é, muitas vezes, para a pessoa que o comete aquela que vê como a única saída para a situação de desespero em que se encontra. A pessoa não quer fugir, a pessoa quer acabar definitivamente com o sofrimento, só que esta é a única forma de resolver a situação que a sua mente consegue ver.
Cometer Suicídio é um momento!
Um momento de desespero, um momento em que a pessoa não consegue ver o todo que é a sua vida, não consegue ampliar a imagem do terror que o atormenta (seja ele qual for o motivo, pois é diferente de pessoa para pessoa) e ver o que de bom tem a sua vida.
É um momento em que a mente da pessoa está afunilada e só vê a questão que a atormenta, não lhe permite ver o amor que tem à sua volta, as pequenas/ grandes conquistas que fez ao longo da sua vida, tudo o que ainda tem para viver e dar a quem o rodeia.
É um momento pelo qual qualquer um de nós pode passar.
A vida desafia-nos, testa-nos muitas vezes ao limite, algumas mais do que conseguimos aguentar sozinhos e basta isso!! Basta que nos encontremos sós e no ambiente perfeito para que seja cometido…. E todo o mundo perde.
Nas fotos, nas redes sociais todas as vidas parecem perfeitas, mas no coração e na mente de cada um, só essa pessoa sabe de si.
Suicídio é um momento em que o facto de parecer não haver solução se encontra com a oportunidade. Ou seja, a pessoa desesperada consegue, nesse estado de espírito, encontrar o local e o modo que lhe parecem menos dolorosos para o fazer.
É um momento que pode ser interrompido, que pode ser adiado, com sorte evitado.
O Suicídio pode acontecer por três motivos: amor, culpa, exaustão.
1. Amor: Quando a pessoa que o comete o faz convencida de que está a proteger quem mais ama de um sofrimento atual que lhe está a causar ou futuro que sabe que causará.
A mente é traiçoeira e faz com que a pessoa se sinta um fardo e se esqueça que amor é amor. Que quem ama cuida e quer estar lá para ultrapassar junto com ela seja que desafio for.
A pessoa não consegue ver que ao cometer este ato, priva quem mais ama de fazer aquilo que é a missão por que vimos a este mundo: amar e cuidar de quem nos rodeia.
Tudo é mais fácil de ultrapassar quando não estamos sozinhos, e impossibilitar quem nos ama de nos ajudar causará uma dor muito superior do que qualquer dor que a nossa presença lhe poderia causar.
2. Culpa: Quando a pessoa pensa que destruiu a vida de outro, que fez algo de tão errado que não tem perdão, quando a vergonha o assombra e não se sente digno de perdão.
Como católica praticante penso que só Deus pode julgar, na hora que ele achar que chegou o momento de o fazer. Até lá, todos devem ter a oportunidade de fazer mais bem do que o mal que fizeram, pagar em amor ao próximo o triplo do mal que fizeram a alguém e não simplesmente acabar com a sua existência.
3. Exaustão: quando a vida desafiou tanto uma pessoa que a presenteou com desafios em cima de desafios, não lhe dando tempo de ultrapassar e recuperar de um, atribuindo-lhe de imediato outro para lidar.
São aqueles momentos em que tudo parece correr mal. Momentos em que a pessoa se vê envolvida em catástrofes em cima de catástrofes sem conseguir ter força para lutar em tantas frentes.
Quando a pessoa já se sente sem energia e discernimento para encontrar mais uma solução… aí, acabar com tudo parece a única saída.
Qualquer um de nós pode viver, em determinado momento da sua vida, a tentação de o fazer.
Qualquer uma das pessoas que amamos pode estar a passar por este dilema neste momento.
Por um dos 3 motivos acima descritos, qualquer um de nós (ou daqueles que amamos) pode deixar de ver o quadro completo que é a sua vida, com tudo de bom que ela tem e o seu cérebro pregar-lhe a partida de apenas lhe permitir focar-se no que o atormenta!
Esta pessoa precisa de AJUDA IMEDIATA, de amor, mas também de apoio especializado e isso não é vergonha nenhuma! Pedir AJUDA é dos maiores atos de inteligência e coragem que podemos ter pois demonstra que nos conhecemos, que temos plena consciência dos nossos limites e que queremos enfrentar todos os desafios ou demónios que nos atormentam.
SUICÍDIO É UM MOMENTO EM QUE O PENSAMENTO ENCONTRA A OPORTUNIDADE.
Resta a dor profunda 😥
A saudade infinita 🖤
Olha pelos nossos meninos 🙏🙏
Amo-te ❤

Escrita por Redação

Comentários

Responder
  1. Compreende-se a posição do autor. Compreende-se a magua sentida e o desabafo. Mas a desculpa pública do ato pode incentivar a sua prática junto de outros que já sintam vontade para o fazer.

    • Ao contrário. Faz as pessoas que cercam o suicida buscarem ajuda e estarem alertas. Perdi uma pessoa querida desta forma. Ele tentou alertar mas a voz dele foi abafada pelos que não queriam falar deste assunto tão difícil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Loading…

0

Caso do Santiago em destaque no programa de Júlia Pinheiro (SIC)

Torres Novas: de comandante da GNR a jurista da câmara