CulturaDestaque

Mais de 100 mil visitaram o Convento de Cristo no primeiro semestre

Os dados da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) revelam que, no primeiro semestre de 2022, o Convento de Cristo em Tomar registou 104.175 visitantes, número que ainda não chega aos valores registados antes da pandemia de covid-19.

Mesmo assim, representa um significativo aumento em relação ao período homólogo do ano passado, em que entraram 20.017 visitantes no monumento património mundial. Não podemos esquecer que esse período coincidiu em parte com o confinamento.

Dos espaços tutelados pela DGPC, o Convento de Cristo é o quarto monumento mais visitado, depois do Mosteiro dos Jerónimos, Torre de Belém e Mosteiro da Batalha (ver tabela).

tomardrive banner out. rodape 2020 41 7293055622693185155 n Copia
Entradas 1º semestre 2021Entradas 1º semestre 2022
Mosteiro dos Jerónimos28.005363.766
Torre de Belém(encerrada para obras)227.219
Mosteiro da Batalha22.451109.563
Convento de Cristo20.017104.175
Palácio Nacional de Mafra17.45597.261
Museu Nacional do Azulejo,699086.857
Museu Nacional dos Coches10.85474.371
Panteão Nacional548162.689
Museu Monográfico de Conímbriga10.19062.384
Museu Nacional de Arqueologia16.49846.803
Museu Nacional de Arte Antiga11.05645.307
Palácio Nacional da Ajuda12.80336.470

 

A agência Lusa publicou uma notícia sobre o assunto:

 

Museus e monumentos nacionais somaram 1,5 milhões de visitantes no primeiro semestre

Os museus, monumentos e palácios nacionais registaram mais de 1,5 milhões de visitantes no primeiro semestre de 2022, cerca de um terço abaixo dos valores de 2019, mas em gradual recuperação, indicam dados estatísticos da Direcção-Geral do Património Cultural (DGPC).

O conjunto de 25 museus, monumentos e palácios tutelados pela DGPC receberam 1.508.362 visitantes entre Janeiro e Junho, avançou aquele organismo à agência Lusa, um aumento de 574% por comparação com os 223.802 visitantes contabilizados nos primeiros seis meses de 2021, quando o período de confinamento se elevou a dois meses.

Apesar deste aumento a afluência continua porém ainda cerca de um terço abaixo do período pré-pandemia, quando, no primeiro semestre de 2019, tinham entrado nos museus e monumentos nacionais mais de 2,3 milhões de visitantes. Um número que desceu para 704.481 no primeiro semestre do ano seguinte, já condicionado pela pandemia, e que se afundou ainda mais no período homólogo de 2021, quando os confinamentos, e consequente encerramento de museus, monumentos e palácios por longos períodos, impediram o acesso do público.

Embora os números agora divulgados mostrem que no primeiro semestre os museus e monumentos nacionais acolheram quase sete vezes mais visitantes do que no mesmo período do ano passado, eles representam apenas cerca de 65% dos valores de 2019. Mas a retoma das entradas tem sido gradual, indicam os números da DGPC, com a variação do primeiro trimestre de 2022 face ao primeiro trimestre de 2019 a registar -43,0%, enquanto a variação no segundo trimestre dos primeiros semestres dos mesmos anos, aponta para -29,0%. “O terceiro trimestre de 2022 vai permitir concluir se, de facto, 2022 é o ano da recuperação total face a 2019”, diz a DGPC.

De acordo com o quadro de evolução de visitantes nos primeiros semestres de 2021 e 2022, o Mosteiro dos Jerónimos, em Lisboa, lidera, com 363.766 entradas (28.005 no primeiro semestre de 2021), seguindo-se a Torre de Belém com 227.219 (sem valor no ano anterior devido a encerramento para obras, tal como o Museu de Arte Popular), e o Mosteiro da Batalha, com 109.563 (22.451, em 2021).

Seguem-se o Convento de Cristo, em Tomar, com 104.175 visitantes (20.017, no ano passado), o Palácio Nacional de Mafra, com 97.261 (17.455), o Museu Nacional do Azulejo, com 86.857 (6990), o Museu Nacional dos Coches, em Lisboa, 74.371 (10.854), o Panteão Nacional, com 62.689 (5481), o Museu Monográfico de Conímbriga, com 62.384 (10.190), o Museu Nacional de Arqueologia, com 46.803 (16.498), o Museu Nacional de Arte Antiga, com 45.307 (11.056), e o Palácio Nacional da Ajuda, com 36.470 (12.803).

No mesmo período, o Museu Nacional do Chiado, em Lisboa, registou 23.971 visitantes (4845), enquanto o Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, recebeu 19.096 visitas (4150), o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, 18.153 (4676) e, o Museu Nacional Grão Vasco, em Viseu, 14.723 (7391).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Botão Voltar ao Topo